União Europeia alerta EUA contra tarifas sobre automóveis

Deutsche Welle
Comissão Europeia envia carta a Washington afirmando que sobretaxas às importações de veículos europeus prejudicaria principalmente a economia norte-americana, e ameaça impor medidas de retaliação

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A União Europeia (UE) alertou os Estados Unidos de que a imposição de tarifas ao setor automobilístico pode causar sérios danos à própria economia norte-americana, além de provocar medidas de retaliação por parte de Bruxelas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Uma carta enviada pela Comissão Europeia ao Departamento de Comércio dos EUA, cujo conteúdo foi divulgado nesta segunda-feira (02/07), alertava sobre as consequências de novas sobretaxas que o presidente norte-americano, Donald Trump, ameaça impor a veículos europeus, e o agravamento da crise entre os antigos aliados.

"Análises econômicas confirmam que o aumento das tarifas sobre esses produtos será prejudicial, sobretudo, para a economia norte-americana", afirma a carta.

Segundo a Comissão Europeia, as prováveis medidas retaliatórias da UE poderiam gerar prejuízos de até 294 bilhões de dólares à economia norte-americana, valor que corresponde a 19% das exportações dos EUA em 2017.

Segundo a carta, enviada a Washington na última sexta-feira, as empresas automobilísticas europeias contribuem enormemente para a economia do país.

"Em 2017, as empresas da UE com base nos EUA produziram cerca de 2,9 milhões de automóveis, o que corresponde a 26% da produção norte-americana", diz o documento.

Essas empresas geraram 120 mil empregos diretos nas fábricas norte-americanas, afirma a Comissão, destacando instalações nos estados da Carolina do Sul, Alabama, Mississipi e Tennessee, regiões no sul do país onde Trump conta com grande apoio.

A política norte-americana "prejudica o comércio, o crescimento e os empregos nos EUA e no exterior; enfraquece os laços com amigos e aliados", diz Bruxelas, ressaltando que o tema desvia a atenção dos reais desafios econômicos globais.

Após Trump sobretaxar produtos chineses, Pequim impõe tarifa de 25% a itens dos EUA

União Europeia aumenta tarifas de produtos dos EUA em retaliação a sobretaxas impostas por Trump

Melania Trump vai à fronteira com México usando casaco com inscrição 'não me importo'

 

picture-alliance

Washington e Bruxelas elevaram o tom em disputa sobre tarifas de importação

Segundo a carta, as importações de veículos da UE pelos EUA são estáveis e "não ameaçam ou prejudicam o setor automobilístico norte-americano". A Comissão pede ainda que possa estar representada numa audiência pública sobre o tema que será realizada pelo Departamento de Comércio dos EUA nos dias 19 e 20 de julho.

"UE tão ruim quanto a China"

"A UE é, possivelmente, tão ruim quanto a China, apenas menor", afirmou Trump à emissora norte-americana Fox News neste domingo. "Eles nos mandam [automóveis] Mercedes, mas nós não podemos mandar nossos carros para lá. Veja o que estão fazendo com nossos produtos agrários. Tudo bem que eles têm seus fazendeiros [...] mas nós não protegemos os nossos da forma que eles protegem os deles", observou.

A provocação do norte-americano foi o fator mais recente no agravamento das tensões comerciais que levaram a UE a impor tarifas comerciais a uma série de produtos importados dos EUA, como motocicletas Harley Davidson e calças jeans, em resposta à sobretaxa de Washington às exportações europeias de aço e alumínio.

O presidente chegou a criticar a lendária fábrica de motocicletas após a empresa declarar que planejava transferir parte de sua produção para a UE. "Não nos esqueceremos disso", ameaçou o presidente.

A comparação com os chineses não caiu bem em Bruxelas, que buscam convencer o governo norte-americano de que o verdadeiro perigo ao comércio justo é a China.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, visitará os EUA no final de julho para tentar buscar soluções para as tensões comerciais. "Temos que 'des-dramatizar' essas relações", disse o chefe do executivo europeu, no mesmo dia em que a carta de Bruxelas foi enviada a Washington.

RC/afp/dpa

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia