Negociador-chefe britânico do Brexit renuncia

Deutsche Welle
Defensor de uma ruptura forte com a UE, ministro David Davis deixa o já enfraquecido governo da primeira-ministra Theresa May depois de este aprovar plano para manter relações estreitas com o bloco

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O negociador-chefe do Brexit para o Reino Unido, David Davis, cumpriu neste domingo (08/07) as ameaças que já havia feito várias vezes e renunciou ao cargo, num duro golpe para o governo da primeira-ministra Theresa May há pouco mais de oito meses da planejada saída do país da União Europeia (UE).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Davis era um dos principais representantes da ala pró-Brexit dentro do governo britânico, dividido entre aqueles que querem manter estreitas relações com a União Europeia e aqueles que defendem uma ruptura forte. Em seguida, o subsecretário de Estado para o Brexit, Steve Baker, também renunciou.

Em carta enviada a May, Davis afirmou que "a atual tendência de políticas e táticas" faz com que pareça "cada vez menos provável" que o Reino Unido se retire da união aduaneira e do mercado comum europeus.

A renúncia ocorreu dois dias após o governo alcançar, internamente, um acordo sobre um novo plano para a futura relação com a União Europeia após a conclusão da saída do Reino Unido. O plano prevê um Brexit soft, ou seja, que o Reino Unido se mantenha estreitamente vinculado ao mercado comum europeu.

Davis afirmou na carta que o plano "vai, no melhor dos casos, nos deixar numa posição fraca para negociar, e possivelmente esta será inescapável", avaliou.

picture-alliance/AP Photo/M. Dunham

Negociador-chefe do Reino Unido para o Brexit, David Davis, renunciou no domingo

Donald Trump e Vladmir Putin terão encontro oficial dia 16, na Finlândia

Simone Veil, líder da legalização do aborto na França, entra para o Panteão de Paris

Reino Unido anuncia proibição de terapias de 'conversão' de gays

 

A renúncia de Davis enfraquece ainda mais o governo já frágil de May, que perdeu vários ministros no último ano devido a alegações de assédio sexual e outros escândalos.

O escritório de May afirmou que um substituto para David seria anunciado nesta segunda-feira. A saída poderá fortalecer legisladores conservadores a favor de um Brexit forte a desafiar o governo da primeira-ministra. Esse grupo avalia que May está disposta a fazer concessões demais à UE.

Detalhes do plano

O novo plano interno, que será explicado aos legisladores nesta segunda-feira, prevê que, após a saída da UE, o Reino Unido siga estreitamente vinculado ao mercado europeu para o intercâmbio de bens. O objetivo é não prejudicar o comércio e a cadeia administrativa entre o Reino Unido e o continente.

Para garantir o livre intercâmbio, seriam estabelecidas uma série de "regras conjuntas" para que Londres mantenha regulações e padrões da UE. Nas próximas semanas será divulgado um documento com os detalhes do acordo fechado na reunião ministerial da sexta-feira passada.

Os outros três elementos de livre circulação no mercado único (capital, mão de obra e serviços) sofreriam limitações. Desta forma, os britânicos querem frear o ingresso ilimitado de cidadãos europeus e seguir suas próprias regras no setor de serviços.

Davis disse a May que temia que o enfoque de negociação do governo "simplesmente conduza a novas demandas de concessões". Em sua resposta a Davis, May disse: "Não concordo com a definição que [o senhor] faz da política com a qual concordamos na sexta-feira na reunião ministerial".

May acrescentou ainda que lamenta que Davis tenha escolhido deixar o governo "quando alcançamos tanto progresso rumo à possibilidade de realizar um Brexit suave e bem-sucedido e quando nos faltam apenas oito meses para a data legal marcada para que o Reino Unido deixe a União Europeia".

Duras negociações

As negociações que permitiram à primeira-ministra britânica chegar a esse novo acordo foram duras. O diário The Times falou na "pior rebelião durante seu governo".

Segundo relatos da imprensa britânica, o ministro do Exterior, Boris Johnson, Davis e outros políticos opinaram que, com essa iniciativa, May se arriscava a destruir seu governo.

Mas, além das dissidências internas, ainda resta saber se Bruxelas aceitará um acordo do tipo, já que até agora a UE considerava que não se podem negociar individualmente as quatro liberdades do mercado único.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia