MP pede que polícia investigue ameaças contra Leonardo Sakamoto após fake news

Ameaças ao jornalista se baseiam na falsa informação de que ele teria sido contratado pelo Facebook para realizar o serviço de checagem de fake news na internet

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Ministério Público Federal em São Paulo encaminhou nesta quarta-feira (11/07) à Polícia Civil um pedido de investigação sobre ameaças virtuais e físicas contra o jornalista Leonardo Sakamoto após terem sido divulgadas notícias falsas sobre ele.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As ameaças ao jornalista se baseiam na falsa informação de que ele teria sido contratado pelo Facebook para realizar o serviço de checagem de fake news na internet. No Brasil, esse tipo de trabalho é feito pela Agência Lupa e Aos Fatos, empresas com as quais Sakamoto não possui qualquer vínculo.

Segundo depoimento do jornalista, que também foi encaminhado pelo MPF à Polícia Civil, desde maio deste ano, quando a iniciativa do Facebook de fazer checagem das fake news ganhou força, o nome de Sakamoto passou a circular em informações difundidas por perfis de diferentes redes sociais sendo acusado de ser "o responsável pela censura no Facebook".

"Fui acusado falsamente não apenas de ser responsável por agências de checagem, mas também de estar usando-as para, em parceria com empresas de redes sociais, censurar pessoas e grupos. Isso atiçou ódio contra mim, gerando ameaças na internet e agressões verbais nas ruas. Ainda bem que não houve violência física, por enquanto”, afirmou o jornalista.

Wikicommons

As ameaças ao jornalista Leonardo Sakamoto se baseiam na falsa informação de que ele teria sido contratado pelo Facebook para realizar o serviço de checagem de fake news na internet

Imprensa internacional chama briga de juízes sobre libertação de Lula de 'telenovela'

Tese do 'conflito de competência' para barrar libertação de Lula não se sustenta, diz professora

Jornais internacionais falam em 'pornografia política' após episódio do habeas corpus de Lula; veja repercussão

 

Além do depoimento, Sakamoto juntou prints de tela (arquivos de imagens) de algumas ameaças recebidas na internet, como uma que dizia: "É só me dar uma arma que meto uma bala no meio da cara desse Filho da Puta!". O jornalista acionou também sua advogada que está tomando providências no campo cível.

Para o procurador regional dos direitos do cidadão Pedro Machado, “as fake news, para além dos prejuízos decorrentes da própria veiculação de informações falsas, ganharam proporções ainda mais graves no caso relatado pelo jornalista”.

“Isto nos mostra que junto com os benefícios de ampliação da comunicação, as redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas podem também gerar efeitos negativos muito graves, incitando situações que põem em risco a integridade física de pessoas. O caso ganha especial gravidade e preocupação porque trata-se de intimidação de jornalista, pois a liberdade de imprensa é um dos pilares da democracia”, afirmou.

Sakamoto lembra também que a mentira, na internet, pode durar indefinidamente acusações “como essa têm ‘cauda longa´, continuam circulando na rede muito tempo depois de terem sido criadas. Nesse caso, o ódio causado pela propagação da mentira sobre as agências de checagem resgatou outras, como a de que eu defendo a morte de aposentados - o que, inclusive, já havia sido levado a conhecimento do Ministério Público Federal em 2016. Desse caldo, surgem ameaças de morte”, disse.

Sakamoto é jornalista e ativista de direitos humanos. É colunista do site UOL, professor de jornalismo da PUC/SP, diretor da ONG Repórter Brasil, que denuncia o trabalho escravo, e conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia