Hoje na História: 1821 - México torna-se uma monarquia constitucional independente

Ironicamente, foram os monarquistas, formados por mexicanos de ascendência espanhola e outros conservadores, que finalmente concorreram para a independência

Atualizada em 23/08/2017 às 17:49

Onze anos após a eclosão da Guerra da Independência Mexicana, o vice-rei espanhol, Juan de O'Donojú, assina em 24 de agosto de 1821 o Tratado de Córdoba, que aprova um plano para transformar o México em uma monarquia constitucional independente.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

WikiCommons/ Miguel Hidalgo y Costilla proclamou o início da Guerra de Independência

No começo do século XIX, a ocupação da Espanha por Napoleão levou à irrupção de revoltas por toda a América hispânica. Em 16 de setembro de 1810, Miguel Hidalgo y Costilla, um padre católico, proclamou o início da Guerra de Independência do México com o famoso discurso conhecido como Grito de Dolores.

O panfleto revolucionário conclamava pelo fim do domínio espanhol no México, redistribuição das terras e igualdade racial. Depois de algumas manobras políticas bem-sucedidas, Hidalgo foi derrotado, capturado e executado.

Contudo, teve seguidores entre os líderes camponeses como José María Morelos y Pavón, Mariano Matamoros e Vicente Guerrero, todos eles comandando exércitos de nativos e revolucionários racialmente mesclados em luta contra os espanhóis e os monarquistas.

Ironicamente, foram os monarquistas, formados por mexicanos de ascendência espanhola e outros conservadores, que finalmente concorreram para a independência. Em 1820, os liberais tomaram o poder na Espanha, tendo novo governo prometido reformas para apaziguar os revolucionários mexicanos. Em resposta, os conservadores mexicanos clamaram por independência como forma de manter seus privilégios e suas posições na sociedade mexicana.

No começo de 1821, Agustín de Iturbide, o líder das forças monárquicas, negociou o Plano de Iguala com Vicente Guerrero. De acordo com o plano, o México seria institucionalizado como uma monarquia constitucional independente, a posição privilegiada da Igreja Católica seria mantida e os mexicanos de ascendência espanhola seriam tratados como iguais aos espanhóis puros. Mexicanos de sangue indígena misto ou puro teriam menos direitos.

Iturbide derrotou as forças monarquistas que ainda se opunham à independência.O novo vice-rei espanhol, afetado pela falta de provisões, tropas e dinheiro, foi forçado a aceitar a independência mexicana. Em 24 de agosto de 1821, O'Donojú assinou o Tratado de Córdoba, encerrando, destarte, a dependência da Nova Espanha à Velha Espanha.

Em 1822, como não havia disponível nenhum monarca da dinastia Bourbon para governar o México, Iturbide foi proclamado Imperador do México. Todavia, seu império teve pouca duração. Em 1823, os líderes republicanos Santa Anna e Guadalupe Victoria depuseram Iturbide, fundando uma república tendo Guadalupe Victoria como seu primeiro presidente.

'Me querem morto, mas não tenho mais medo', diz padre que protege migrantes e desafia cartéis no México

1807: Assinada Paz de Tilsit, auge do reinado de Napoleão

Maduro exige que Colômbia e México expliquem plano para derrubar governo venezuelano

 
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias