Hoje na História: 1898 - Filipinas conquistam independência da Espanha

Arquipélago asiático ainda iria sofrer mais meio século de dominação opressiva dos EUA

Em 1898, com o início da Guerra Hispano-Americana, o general Emílio Aguinaldo se aliou extra-oficialmente aos Estados Unidos, retornando às Filipinas e reiniciando as hostilidades contra os espanhois. Em junho os rebeldes já haviam conquistado todo o território do país, com exceção de Manila.

No dia 12 de junho de 1898, Aguinaldo proclama a independência da Espanha e inaugura a Primeira República Filipina. Nem Madri tampouco Washington, no entanto, reconheceram a independência do país. O domínio espanhol sobre as ilhas só terminou oficialmente com o Tratado de Paris de 1898, no qual a Espanha cedia as Filipinas e outros territórios aos Estados Unidos. A Guerra Filipino-Americana eclodiria pouco tempo depois.

O herói nacional das Filipinas, o linguista, escritor, artista, médico e cientista José Rizal iniciara um movimento de reforma. Ao mesmo tempto, uma sociedade secreta anti-colonial chamada Katipunan, chefiada por Andrés Bonifácio, começou a revolução, dando aos espanhóis a desculpa que precisavam executar Rizal, que se encontrava em exílio em Dapitan, Mindanao, no sul do país. Ele foi trazido a Manila para julgamento e condenado à morte, embora não se tenha prova de sua participação na revolta.

Wikimedia Commons

Fotografia do Congresso Revolucionário das Filipinas, em Malolos

Sua morte, porém, estimulou ainda mais a Revolução Filipina, que havia se iniciado em agosto de 1896, com a descoberta da Katipunan pelas autoridades espanholas. O movimento é mescla do separatismo e governo paralelo que se havia espalhado pela maior parte das ilhas.

Numa reunião popular em Caloocan, os líderes do Katipunan se organizaram num governo revolucionário, e declararam abertamente a revolução armada por toda a nação. Bonifacio convocou um ataque coordenado à capital, Manila, que fracassou. Mas províncias vizinhas se insurgiram, em especial os rebeldes de Cavite, liderados por Aguinaldo, conquistando vitórias significativas.
 

Foto:

Nas Filipinas, revista é acusada de racismo após retratar negras como "sombras"

Governo das Filipinas alcança acordo de paz com grupo insurgente

Presidente filipino visita quartel do FMLI para consolidar a paz

 


Uma disputa de poder entre os revolucionários levou à execução de Bonifácio em 1897 e a passagem do comando para Aguinaldo, que passou a liderar seu próprio governo revolucionário. Naquele ano uma trégua foi alcançada mediante o Pacto de Biak-ns-Bato. Aguinaldo foi exilado em Hong Kong, todavia, as hostilidades entre rebeldes e o governo espanhol jamais cessaram.
 

Wikimedia Commons- bandeira da Revolução
Historiadores acreditam que as Filipinas foram colonizadas no paleolítico, quando um povo asiático atravessou por meio de pontes de madeira o caminho que leva à região. Descobertas mais recentes parecem indicar que as ilhas podem ter sido habitadas desde a era pleitocênica.

A primeira grande corrente migratória chegou a essa região através do sul. Acredita-se que esses imigrantes eram de origem indonésio-caucasiana. Posteriormente ocorreram mais duas grandes correntes migratórias. Cada nova corrente impediu os habitantes originais de procurar terra ao norte. A corrente migratória seguinte, cujo apogeu ocorreu no final do século XIV, proveio do reino madjapahit, trazendo consigo a religião muçulmana.

Fernão de Magalhães, navegador português a serviço dos reis da Espanha, descobriu as ilhas no século XVI, ali introduzindo o cristianismo. Os primeiros povoados ocidentais permanentes na ilha de Cebu decorreram da expedição de Miguel López de Legazpi em 1565. Mais tarde os espanhóis estabeleceriam a era da colonização que duraria três séculos. Foram os espanhóis que fizeram de Manila, a partir de 1571, a capital da colônia.

Em 10 de dezembro de 1898, os Estados Unidos adquiriram da Espanha por 20 milhões de dólares as Filipinas por intermédio do Tratado de Paris, levando o país a ser dominado por Washington por 48 anos. Após uma guerra por sua independência que durou cerca de três anos e outra, pelo mesmo motivo,  que durou cerca de quatro anos, derrotadas nas duas guerras, Filipinas se converteu numa colônia dos Estados Unidos, que impôs seu idioma e cultura nas ilhas. Finalmente, em 4 de julo de 1946, depois da II Guerra Mundial, os Estados Unidos concederam a Filipinas uma independencia mais formal que real.

Contudo, as Filipinas lutaram junto à bandeira norte-americana contra o Japão na II Guerra Mundial. A heróica batalha de Bantam impediu o avanço das tropas japonesas em direção à Austrália.

Os norte-americanos tentaram mudar em 1946 o dia da independência das Filipinas para 4 de julho, dia da independência das Estados Unidos. Queriam que os filipinos acreditassem que fora Washinghton a proporcionar a independência filipina. Contudo, a história era outra. Antes de os norte-americanos ali aportarem, os filipinos haviam conquistado pelas armas a sua própria independência da Espanha. Desse modo, a festa de independência do país continua a ser comemorada em 12 de junho.

Também nessa data:
1144 - No interior da Basílica de Saint Denis, nasce a arquitetura gótica
1958 -  Morre Odilon Braga
1967 - Termina a Guerra dos Seis Dias
1982 - Steven Spielberg estreia E.T.
 

 

Leia Mais

Nas Filipinas, revista é acusada de racismo após retratar negras como "sombras"

Governo das Filipinas alcança acordo de paz com grupo insurgente

Presidente filipino visita quartel do FMLI para consolidar a paz

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias