Hoje na História: 1962 - ONU condena apartheid na África do Sul

Países-membros foram conclamados a cortar relações econômicas e militares

Em 6 de novembro de 1962, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou uma resolução que  condenava as políticas racistas do apartheid na África do Sul. O documento conclamou todos os países-membros a cortar todas as relações econômicas e militares com o país.

Wikimedia Commons - placa bilíngue segregando espaços públicos
De 1948 a 1993, o apartheid – cuja expressão provém da palavra em africâner para "apartness" (separação) consistiu na política governamental de segregação racial e política e de discriminação econômica contra a maioria não-branca da África do Sul. Dentre as muitas injustiças, os negros eram obrigados a viver em áreas segregadas e não podiam entrar nos bairros habitados pelos brancos a não ser que tivessem passes especiais. Embora os brancos representassem apenas uma pequena parcela da população, concentravam vasta maioria da riqueza e das terras do país.

Em seguida ao massacre em 1960 de manifestantes desarmados em Sharpeville perto de Johanesburgo, quando 69 negros foram mortos e mais de 180 feridos, o movimento internacional pelo fim do apartheid ganhou amplo apoio. No entanto, algumas poucas potências ocidentais e um punhado de parceiros comerciais da África do Sul opunham-se a um pleno embargo econômico e militar. Não obstante, a oposição ao apartheid dentro da ONU cresceu e, em 1973, uma resolução das Nações Unidas considerou o apartheid como "crime contra a humanidade." Em 1974, a África do Sul foi suspensa da Assembleia Geral.

Após décadas de greves, sanções e crescentes manifestações violentas, muitas leis do apartheid foram revogadas. Finalmente, em 1991, sob a presidência de Frank de Klerk, o governo sul-africano revogou todas as leis do apartheid remanescentes, comprometendo-se a aprovar uma nova Constituição. Em 1993, um governo de transição multirracial e multipartidário foi constituído. No ano seguinte, a África do Sul levou a cabo as primeiras eleições gerais livres e justas. O ativista político Nelson Mandela, que havia passado 27 anos na prisão ao lado de outros líderes anti-apartheid, acusado de crimes de traição, assaltos, assassinatos e terrorismo, tornou-se o novo presidente da África do Sul.
 

Hoje na História: 1963 - James Meredith é o primeiro negro a se formar na Universidade do Mississipi

Nova miss EUA é vítima de comentários racistas e xenófobos

Não queríamos esperar pelas mudanças, diz ex-membro do Pantera Negra

 

Wikimedia Commons - Frederik de Klerk em Davos (1992)
Em 1996, a Comissão da Verdade e da Reconciliação da África do Sul, constituída pelo novo governo, deu início a uma investigação sobre a violência e as violações dos direitos humanos que tiveram lugar na vigência do sistema do apartheid entre 1960 e 10 de maio de 1994. Nesse dia, Mandela prestou juramento como presidente da África do Sul. O objetivo primacial da comissão não era de punir alguém e sim cicatrizar as feridas tratando de seu passado de uma maneira aberta. Às pessoas que cometeram crimes se permitiu confessor e pleitear anistia.

Comandada desde 1984 pelo Prêmio Nobel da Paz, o arcebispo Desmond Tutu, a Comissão da Verdade ouviu o depoimento de mais de 20 mil testemunhas de todos os setores envolvidos – as vítimas e suas famílias, bem como os perpetradores da violência.

O relatório final foi publicado em 1998, condenando todas as grandes organizações partidárias, a exemplo do governo do apartheid além das forças anti-apartheid como o partido de Mandela, o Congresso Nacional Africano, por sua contribuição à violência.

Baseado nas recomendações da Comissão da Verdade e da Reconciliação, o governo passou em 2003 a realizar pagamentos a título de reparação de aproximadamente 4 mil dólares a cada vítima pessoal da violência.

Hoje na História:
1854 - Nasce John Philip Sousa, autor de célebres marchas militares
1893 - Compositor russo Piotr Tchaikovsky morre em São Petesburgo
1936 - Republicanos deixam Madri para fugir de Franco
1941 - Com discurso histórico, Stálin inicia derrocada nazista na II Guerra

1964 - Morre em São Paulo, aos 68 anos de idade, a pintora Anita Malfatti
1974 - A presidente da Argentina Maria Estela Martínez de Perón declara estado de sítio no país
 

Leia Mais

Hoje na História: 1963 - James Meredith é o primeiro negro a se formar na Universidade do Mississipi

Nova miss EUA é vítima de comentários racistas e xenófobos

Não queríamos esperar pelas mudanças, diz ex-membro do Pantera Negra

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'The Post': a história não foi bem assim

Jornalista Ben H. Bagdikian, personagem coadjuvante em The Post, tem uma versão diferente da contada no filme; Bagdikian é autor do livro O Monopólio da Mídia, que será lançado em abril pela editora Veneta