Hoje na História: 1939 - 'O Mágico de Oz' estreia no cinema

Música 'Over the rainbow' se tornou grande tema das paradas de sucesso popular nos Estados Unidos, além de ganhar Oscar de melhor canção em 1940

Atualizada em 11/08/2016

“O Mágico de Oz”, filme estrelado por Judy Garland, tem sua estreia mundial em Wisconsin, Estados Unidos, no dia 12 de agosto de 1939. No longa, os queridos personagens e a história do famoso livro infantil em que se baseou estavam quase todos transportados para a tela.


Clique e faça uma assinatura solidária de Opera Mundi


Dorothy, uma menina camponesa de Kansas que vivia em uma fazenda com seus tios, é levada junto a seu cachorro por um tornado que ataca a região e aterrissa na Terra de Oz. No impacto, Dorothy cai em cima da Bruxa Má do Leste e acaba matando-a.

Após o acidente, Dorothy é vista como uma heroína, mas o que ela quer é voltar para Kansas. Para isso, precisará da ajuda do Poderoso Mágico de Oz que mora na Cidade das Esmeraldas. No caminho, ela é ameaçada pela Bruxa Má do Oeste, que culpa Dorothy pela morte de sua irmã, e encontrará três companheiros: um Espantalho que quer ter um cérebro, um Homem de Lata que anseia por um coração e um Leão covarde que precisa de coragem.

Publicado originalmente em 1900, “O Maravilhoso Mágico de Oz”, do escritor Frank Baum, foi adaptado inúmeras vezes para o palco e a tela, servindo como tema musical antes ainda de 1939. Contudo, foi a adaptação feita na película rodada naquele ano que guindou a obra de Baum a um lugar permanente não somente na história do cinema como também na história da música.

A importância da música

O letrista Yip Harburg e o compositor Harold Arlen eram ambos experientes profissionais antes de se juntarem em 1938 para compor as canções originais de “O Mágico de Oz”. A marcante canção “Over the Rainbow”, brilhantemente interpretada por Judy Garland, fez com que Arlen e Hamburg não apenas conquistassem o Oscar de Melhor Canção de 1940, como se tornou o grande tema das paradas de sucesso popular nos Estados Unidos.

“Over the Rainbow foi posteriormente reconhecida como uma das mais importantes obras musicais populares, incluída na lista “As Canções do Século”, compilada em 2001 pela Recording Industry Association of America e pela National Endowment for the Arts.

Hoje na História: 1989 - Salvador Dalí, ícone do surrealismo, morre na Catalunha aos 84 anos

Hoje na História: 1836 - Espanha reconhece independência do México por meio de Tratado Santa María-Calatrava

Hoje na História - 1737: Morre Antonio Stradivarius, fabricante de violinos

 


Wikicommons

Dorothy, o Espantalho, o Homem de Lata e Leão covarde em cena da produção de 1939: sucesso imediato


Em primeiro lugar e acima de tudo, no entanto, as canções de Arlen e Harburg atingiram a meta principal com brilho excepcional, conduzindo e aprofundando o impacto emocional da história contada no filme para o qual foram escritas.

Por mais inovadora e marcante que fosse a produção de “O Mágico de Oz” em 1939, era impossível imaginar à época que o filme alcançaria tão elevado patamar na imaginação popular sem as canções como "The Lollipop Guild", "If I Only Had A Brain" e "We're Off To See The Wizard”.

Também nesta data:

1827 - Morre o pintor e ilustrador inglês William Blake
1851 - É inventada a máquina de costura
1913 - Harry Brearley inventa o aço inoxidável

Leia Mais

Hoje na História: 1989 - Salvador Dalí, ícone do surrealismo, morre na Catalunha aos 84 anos

Hoje na História: 1836 - Espanha reconhece independência do México por meio de Tratado Santa María-Calatrava

Hoje na História - 1737: Morre Antonio Stradivarius, fabricante de violinos

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera

Destaques

Publicidade

2018 vem aí!

2018 vem aí!

São centenas de títulos, todos com desconto de 18% e Frete Grátis. Alguns destaques: "Vila Buarque, o caldo da regressão", de Marcos Gama; "Autoritarismo e golpes na América Latina", de Pedro Estevam Serrano; "Machado de Assis - a Poesia Completa"; "A formação do mercado de trabalho no Brasil", de Alexandre de Freitas Barbosa; "A ideia de história na Antiguidade Clássica", de Glaydson José da Silva e Maria Aparecida de Oliveira Silva (org.); "Os leitores de Machado de Assis", de Hélio de Seixas Guimarães; "Nós que amamos a revolução", de Américo Antunes; "Machado de Assil - Lido e Relido", de João Cezar de Castro Rocha (org.); "Jorge Amado na Hora da Guerra", de Benedito Veiga. A lista é incrível: aproveite a reta final de ano, conheça nosso catálogo. Boas festas e um 2018 muito melhor, por 2017 foi osso, né?

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias