Hoje na História: 1971 - 'Papéis do Pentágono' são publicado nos Estados Unidos

Excertos se referiam a uma investigação ultra-secreta e indicavam que Casa Branca mentiu ao povo norte-americano sobre Guerra do Vietnã

Atualizada em 13/06/2015, às 6h00

O The New York Times começa a publicar em 13 de junho de 1971 excertos dos assim chamados “Papéis do Pentágono”, uma investigação ultra-secreta do Departamento de Defesa sobre o envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã. Os papéis indicavam que a Casa Branca vinha mentindo ao povo norte-americano durante anos sobre a Guerra do Vietnã. Os papéis danificaram seriamente a credibilidade da política externa de Washington durante a Guerra Fria.

Wikicommons
Daniel Ellsberg levou a público os documentosEm 1967, o Secretário de Defesa Robert McNamara ordenou aos seus auxiliares que preparassem uma cronologia em profundidade sobre o envolvimento dos EUA na Guerra do Vietnã. McNamara logo começou a alimentar sérias dúvidas sobre a política de Washington no país asiático. O estudo – que passou a ser conhecido como "Os Papéis do Pentágono" – corroborou seus receios. Memorandos ultra-secretos, relatos e documentos indicavam que o governo mentia sistematicamente ao povo, enganando-o quanto aos objetivos e progresso na guerra em curso.

O volumoso e devastador levantamento permaneceu trancado por anos nos cofres do Pentágono. Em 1971, Daniel Ellsberg, um funcionário do Departamento de Defesa, que se voltara totalmente contra a guerra, começou a vazar, às escondidas, trechos. Depois de oferecer sem sucesso os documentos a proeminentes opositores da guerra no Senado, Ellsberg entregou-os ao NYT.

Leia mais:
Hoje na História: Tropas dos EUA cometem o massacre de My Lai
Hoje na História: 1960 - Vietnã do Norte cria a Frente Nacional de Libertação
Hoje na História: Negociações de paz para o Vietnã começam a avançar
Hoje na História: 1969 - Tropas soviéticas e chinesas entram em confronto
Em 1971, vazamento de dados aumentou pressão nos EUA contra Guerra do Vietnã

Em 13 de junho de 1971, o público pôde ler assombrado sobre como o envolvimento do país no sudeste da Ásia cresceu num período de três décadas. A publicação dos papéis adicionou mais combustível ao poderoso movimento anti-guerra e levou o governo do presidente Richard Nixon à paranóia acerca da “filtração” da informação. Nixon tentou impedir o prosseguimento da publicação, contudo, em 30 de junho a Suprema Corte decidiu que o jornal tinha direito de publicar a matéria.   

A interminável Guerra do Vietnã já havia erodido a credibilidade governamental, mas a publicação dos “Papéis do Pentágono” mostrou à opinião pública a verdadeira extensão de como e quanto o governo havia manipulado e mentido. Alguns dos exemplos mais dramáticos foram os documentos indicando que a administração Kennedy havia abertamente encorajado e participado na derrubada do presidente do Vietnã do Sul, Ngo Dinh Diem, em 1963; que a CIA acreditava que a “teoria do dominó” não se aplicava à Ásia e que o pesado bombardeio do Vietnã do Norte não tinha tido absolutamente nenhum impacto à disposição dos comunistas de continuar a luta, ao contrário do que dizia a Casa Branca.

Leia mais:
Vietnã celebra os 35 anos do fim da guerra
My Lai, o massacre que marcou a guerra
Vietnã cresce em ritmo de guerra 
Ho Chi Minh quer ser a locomotiva da Ásia 
Agente laranja causou doenças e mutações genéticas em vietnamitas e norte-americanos
Vietnã projeta-se como potência industrial até 2020
Trabalhadores vietnamitas fazem greves por melhores salários
Música latina faz sucesso na noite de Ho Chi Minh
Pobreza absoluta cai para um terço em quatorze anos no Vietnã
Vietnã defende sistema de partido único

Oficialmente denominado “A História do Processo de Decisão dos EUA sobre o Vietnã”, os papéis desvendaram comunicados, recomendações e decisões bem guardados a respeito do papel militar do país no Vietnã durante os governos Kennedy e Johnson, assim como a fase diplomática dos anos Eisenhower. A publicação criou um furor nacional, com repercussão no Congresso e na diplomacia, quando todos os setores do governo debatiam quanto ao que se considerava “material classificado” e o quanto poderia ser tornado público.

Outros fatos marcantes na data:
313 – Constantino promulga Édito de Milão
324 a. C. - Morre Alexandre o Grande, maior estrategista do mundo clássico
1944 - Hitler começa a lançar bombas V1 para tentar vencer Segunda Guerra

Unesco condena bombardeio de coalizão saudita a ‘joia da cultura islâmica’ no Iêmen

Alemanha encerra investigação de grampo norte-americano em celular de Merkel

Movimentos sociais brasileiros pedem que Caetano e Gil desistam de show em Israel

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias