Último ditador do regime militar argentino é condenado a 15 anos de prisão

Reynaldo Bignone acumula sentenças de 25 anos e perpétua

O último ditador do regime militar argentino (1976-1983), Reynaldo Bignone, foi condenado a 15 anos de prisão nesta quinta-feira (29/12), por crimes contra a humanidade. A sentença, ditada por um dos Tribunais Orais Federais do país, se deve às prisões ilegais cometidas no centro clandestino de detenção “El Chalet”, dentro de um hospital da Força Aérea argentina.

Esta é a terceira pena recebida pelo ditador, que no ano passado foi condenado a 25 anos de prisão pelas violações aos Direitos Humanos cometidas no Campo de Maio, outro centro clandestino de reclusão e extermínio, quando era Comandante de Institutos Militares e, em abril deste ano, foi sentenciado a prisão perpétua pela repressão ilegal perpetrada entre julho de 1982 e 1983, quando comandou o país.

Na atual sentença, o Tribunal Oral Federal 2 também condenou a oito anos de prisao domiciliar o ex-chefe da Brigada Aérea de El Palomar, Hipólito Rafael Mariani, e a 13 anos Luis Muiña, integrante de um grupo da Força Aérea argentina conhecido como “Swat”. Os três foram acusados por sequestros ilegais, “aplicação de tortura” e homicídios. As condenações, no entanto, excluíram os assassinatos.

Um quarto acusado, Argentino Rios, foi afastado do julgamento “por questões de saúde”, mas o processo será retomado quando ao acusado melhorar, segundo a sentença. De acordo a agência de notícias oficial da Argentina, Télam, a decisão dos juízes foi recebida com “silêncio e decepção por dezenas de médicos e empregados do hospital presentes na sala, muitos vestidos com camisetas com os nomes de desaparecidos, uma lista que duplica o número de casos julgados”.

O Hospital Alejandro Posadas foi invadido e ocupado pessoalmente por Bignone, com o uso de tanques e helicópteros. Na operação militar, o diretor do local, Julio Cesar Rodriguez Otero foi capturado, e sua residência, conhecida como “Chalet”, foi utilizada como um centro clandestino de reclusão, tortura e extermínio de prisioneiros políticos.

Como ditador argentino, Bignone decretou a destruição de documentos sobre a repressao ilegal e determinou a auto-anistia para os militares que cometeram crimes no período. No início da ditadura militar argentina, em 1976, Bignone era delegado da Junta Militar na área de “Bem-Estar Social”. O repressor continuará em regime de prisão domiciliar.

Bolívia captura e manda para Argentina ex-coronel acusado de crimes na ditadura

Cristina Kirchner tem um tumor maligno na tiróide e será operada no dia 4

EUA liberam documentos sobre roubo de crianças na ditadura argentina

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'The Post': a história não foi bem assim

Jornalista Ben H. Bagdikian, personagem coadjuvante em The Post, tem uma versão diferente da contada no filme; Bagdikian é autor do livro O Monopólio da Mídia, que será lançado em abril pela editora Veneta