Internautas espanhóis reclamam do aumento de restrições à entrada no Brasil

Alguns chamam medida de "racista" e atacam o país; outros a entendem como razoável

A decisão do governo brasileiro em começar a aplicar, a partir desta segunda-feira (02/04) o princípio de reciprocidade aos espanhóis que venham ao país, ou seja, aumentando a restrição para sua entrada, provocou muita polêmica nos foros de discussão dos principais jornais da Espanha.

Diversos internautas espanhóis protestaram contra a decisão brasileira, argumentado que a restrição deveria ser aplicada a todos os países da União Europeia –  como só foi restrita à Espanha, alguns a consideraram persecutória, chegando a classificá-la de “racista”. Um número expressivo, porém menor de internautas espanhóis, entendeu a medida razoável, e que apenas exige os mesmos requisitos dos brasileiros que entram na Espanha.

“Esta lei é racista porque só é aplicada contra os espanhóis e não contra o restante dos europeus no espaço Schengen (área de livre circulação de pessoas em território europeu). E nos chamam de racistas? Logo não há ninguém mais racista do que eles (brasileiros)” escreveu Miscollons no El Mundo.

“Se fizemos isso (colocar restrições) a eles, então me parece (uma resposta) normal. Mas deveriam aplicar a todos os países que lhe colocam restrições”, postou “Enki” ao jornal ABC

Outros espanhóis defendem o tratamento desigual, por entenderem que muitos viajam ao Brasil somente por turismo e voltam depois de um curto período,enquanto os brasileiros “procuram emprego” e passam a viver em condições ilegais. E muitos se referem ao Brasil de forma ofensiva.

“Vamos colocar as cartas na mesa: quantos espanhóis vão ao Brasil de férias e (não) regressam para a Espanha? Quantos de nós cometem crimes em sua estadia no Brasil? Muito poucos. E o mesmo para os brasileiros aqui? Muitos. Me parece bom que o Brasil coloque restrições para quem for para lá de férias. Assim, eles se darão conta que o turismo de espanhóis deixa mais dinheiro do que os dos brasileiros”, diz “anticorruptos” no ABC.

“Será um grande problema para as milhares de prostitutas que vieram para cá ilegais e se nacionalizaram na Espanha. Essa lei é ridícula. Os espanhóis não vão ao Brasil para ficar. Mas se querem fazer o mesmo com os europeus, pois bem... menos lucro para o turismo. Favelas,corrupção, jogo bonito e burrice extrema.”, assina outro internauta no El Mundo.

“Me parece perfeito. Se tivéssemos esse tipo de controle na Espanha, nosso país não estaria infestado de camareiras e prostitutas brasileiras enviando dinheiro espanhol para o Brasil”, diz Linceo, que parece não saber que as regras são recíprocas.

“Esse é um problema de fácil solução: não ir ao Brasil. Assim teremos a certeza de que não seremos assaltados na rua nem nos preços de passagem de avião e de hotéis”, diz "reces".

As razões do Itamaraty

O Ministério das Relações Exteriores nega que a adoção das exigências seja uma retaliação às humilhações sofridas por brasileiros na Espanha, que relatam casos de discriminação e preconceito, além de serem impedidos de se comunicar com autoridades do Brasil.

A regra aumenta exigências e restrições aos espanhóis que visitam o país. A medida é uma reação aos brasileiros que têm sido constantemente barrados no país ibérico, além de acusarem sofrer maus tratos pelas autoridades de imigração espanholas. A alegação do governo espanhol é que eles não cumprem todos os pré-requisitos para permanecer no país.

Entre as novas exigências previstas para os espanhóis estão passaporte válido por seis meses, bilhete aéreo de ida e volta, comprovação de recursos para estadia e hospedagem garantida. Os brasileiros que vão para a Espanha são submetidos a essas mesmas obrigações.

“O Brasil que se coloque em seu devido lugar. Nunca fui nem quero ir para lá em minha vida, mas posso fazê-lo quando bem entender. É o destino mais brega juntamente com Cuba!”, postou "Zoukno", também no El Mundo.

“A estupidez não tem limites. Faz 15 anos que a Espanha tem sido uma ONG para os imigrantes: seguridade social de graça, papéis para todos, serviços sociais para cobrir todas as necessidades dos imigrantes. (...) Ei, brasileiros, uma vez fui ao seu país. Levava 5 mil euros, saí sem nada. Depois de ver a corrupção,o morro, a delinquência, a sociedade e a mediocridade que invadem tudo. Fiquem com sua república das bananas!”, protesta "pagar-callar".

Levantamento

Uma pesquisa realizada entre leitores do ABC, terceiro periódico pago em circulação diária na Espanha, mostra que apenas 13% dos espanhóis se sente atingido pela medida, contra 28% afirmando que não. Porém, 58% optaram por responder a opção “sim, mas por essas novas regras, não mais irei (ao Brasil)”.

Boas relações

Espanhóis que vivem no Brasil ou são casados com brasileiros concordaram com a medida do governo sul-americano.

“Sou espanhol e vivo no Brasil. Este país sempre me tratou muito bem,como sempre fez com todo estrangeiro. Me cansei de ver durante anos nos meios de comunicação a quantidade de atrocidades que fizemos com turistas brasileiros. Mas isso não passa aí (na Espanha) porque são notícias de baixo interesse. Aqui também está cheio de espanhóis presos, muitos vieram fazer m... com o narcotráfico”, disse "tatajuba".

“Minha mulher é brasileira, estou com ela há oito anos. Sua cunhada e sua filha vieram no Natal para passar as festas conosco. Mas foram deportado, sob a alegação de que não traziam dinheiro suficiente. Para quê, se iam ficar na minha casa, não ia faltar nada? Estou completamente de acordo com a postura do Brasil (...) Sei de três outros casos de deportação de conhecidos, e asseguro que nenhum deles tinha intenção de permanecer aqui. Lembro a todos que eles vivem melhor lá do que nós aqui”, testemunhou "alber1200".

”Essa decisão também feriu meu orgulho, mas não sejamos hipócritas. Por acaso não estão fazendo o mesmo que nós para quem quer vir aqui? O que ocorre é que eles foram muito mais rápidos em reagir, o Brasil já é uma potência mundial, enquanto a Espanha morre lentamente”, disse “antihooligans” ao El Mundo.

América Latina aproveita crise nos países ricos para fortalecer turismo

Espanhóis repudiam política de Rajoy com adesão massiva a greve e mega manifestação

Crise na Espanha: prostitutas se recusam a fazer sexo com banqueiros

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Deputados barram lei de aborto aprovada pelo Senado no Chile

Projeto que autoriza aborto nos casos de risco de vida para a gestante, estupro ou má formação do feto vai a comissão mista para ser reavaliado; Michelle Bachelet criticou oposição por votar por 'ideologia ou religião' contra a lei

 

Notas sobre Marco Aurélio Garcia, um grande camarada

MAG combinou interesses econômicos e políticos com uma visão anti-hegemônica clara e firmou-se como leme de uma diplomacia que tinha o desenvolvimento e a construção de novas parcerias Sul-Sul como meta