Bomba explode perto de mecânicos de equipe de F-1 no Bahrein

Este é o primeiro incidente diretamente relacionado ao GP de domingo registrado no Bahrein

Uma bomba explodiu nesta quarta-feira (19/04) no Bahrein próximo ao carro que transportava quatro mecânicos da Force Índia, equipe de F-1 que está no país para o GP (Grande Prêmio) do próximo domingo (22). Ninguém ficou ferido, mas um dos profissionais envolvido no ataque foi autorizado pela equipe a deixar o Bahrein.

O funcionário alegou que não se sentia seguro no país e pediu a liberação para a equipe. Este é o primeiro incidente diretamente relacionado ao GP de domingo registrado no Bahrein.

Efe

Manifestantes pintaram muros com mensagens contra a realização do GP

Grupos barenitas condenam a realização da prova e prometem que irão transformar o GP em um “Grande Prêmio de sangue”. Depois da explosão, autoridades do país afirmaram que as equipes da F-1 não precisam temer por sua segurança.

No entanto, o ex-comissário da polícia de Londres, John Yates, contratado para treinar os agentes do Bahrein, afirmou que não pode garantir a segurança dos visitantes. “Seria um tolo se dissesse isso”, afirmou, em entrevista ao jornal britânico Guardian.

Os protestos contra a monarquia barenita começaram em fevereiro de 2011, impulsionadas pelas revoltas que tomaram conta dos países árabes no Oriente Médio e no Chifre da África.

Efe

Imagem pintada pelos manifestantes nos muros do país faz referência ao rei Hamad bin Issa al Khalifa

Os manifestantes exigem a queda do rei Hamad bin Issa al Khalifa, no poder desde 1999, e o fim da monarquia. Depois de meses de intensos confrontos, milhares de pessoas foram detidas e mortas, segundo uma comissão criada por iniciativa do próprio rei.

Reações

Nesta terça-feira (17), o governo do Bahrein expressou descontentamento com as charges publicadas pelo cartunista brasileiro Carlos Latuff. Em algumas de suas obras, o desenhista critica a monarquia barenita, assim como o GP do próximo domingo.

O trabalho de Latuff, publicado no Opera Mundi, tem sido usado em cartazes durante as manifestações e provocaram uma reação do governo do país. “Embora sejamos defensores da liberdade de expressão, seus desenhos ultrapassam o limites dessa liberdade com acusações infundadas e uma representação desequilibrada dos eventos ocorridos no Bahrein. Muitos de seus cartuns possuem erros jornalísticos e factuais graves. Pedimos que você reflita sua arte através da integridade jornalística”, apontou o IAA (sigla em inglês para Autoridade para Assuntos de Informação), órgão oficial de informação do governo.

Carlos Latuff

Charge do desenhista publicada no Opera Mundi a respeito do Grande Prêmio no país

Em seu site, Latuff respondeu às acusações com ironia: “É curioso que uma instituição governamental como a do Bahrein use termos como ‘integridade’ e ‘liberdade de expressão’, valores que definitivamente não se aplicam ao regime de Hamad”, afirmou o desenhista.

Em entrevista a Opera Mundi, o brasileiro afirmou que o governo está usando a corrida como uma cartada política com o objetivo de mostrar ao mundo que a situação no país está sob controle.

“Mas será um tiro no pé. Porque é por causa dessa corrida que o mundo voltar a falar do que acontece no Bahrein. Só se falava na Síria, porque o Ocidente tem interesse em derrubar Bashar al Assad. Mas não tem como esconder o que ocorre por lá. Mas o conflito não está resolvido”, concluiu.

Abbas questiona assentamentos israelenses em carta a Netanyahu

Israel começa a deportar ativistas pró-Palestina presos em aeroporto

Mais de mil presos palestinos iniciam greve de fome em Israel‎

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Opera Mundi TV

PUBLICIDADE

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Últimas Notícias

Por que Dilma constrangeu os hipócritas

Postura de presidente afastada durante sessão no Senado se opõe ao comportamento de Michel Temer, presidente interino, que concentra sua atuação em conchavos políticos e intrigas palacianas, se esconde das vaias e foge do debate público

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE