Com ajuda de Israel, Obama usa hackers para atacar programa nuclear iraniano

New York Times revela que vírus chegou a desligar até mil centrífugas nucleares da cidade de Natanz; estratégia avançou no governo do democrata

 

Desde que Barack Obama assumiu a Presidência dos EUA, aumentou o volume de ataques secretos de hackers do governo contra a infra-estrutura do programa nuclear do Irã. De acordo com a edição desta sexta-feira (01/06) do jornal The New York Times, a Casa Branca, em parceria com Israel, ataca bancos de dados virtuais iranianos há pelo menos quatro anos e já conseguiu desligar até mil centrífugas nucleares.

A inteligência norte-americana teria criado um vírus que se espalhou a partir das plantas nucleares da cidade de Natanz e que conseguiu se disseminar graças a lacunas do sistema operacional Windows. O primeiro uso do chamado Stuxnet supostamente ocorreu ainda durante a presidência de George Bush.

Já em 2006, um programa sigiloso conseguiu se infiltrar nos bancos de dados de Natanz e passou a enviar informações sobre o funcionamento da base nuclear para a Agência de Segurança dos EUA. Contudo, foi com o início do Governo Obama que o país conquistou o auxílio de Israel e passou a disseminar o software.

Segundo o New York Times, Obama teria inclusive se encontrado secretamente com Bush, para explicar ao ex-presidente as razões de intensificar o emprego deste recurso sobre o programa nuvlear iraniano. Além de eficientes para retardar os avanços do projeto de Mahmoud Ahmadinejad, o presidente também teria chamado a atenção de seu colega para a possibilidade de evitar um ataque imediato de Israel contra Teerã.

 

Google modifica sistema de buscas na China para driblar controle de conteúdo

Estados Unidos já admitem ignorar ONU e agir contra Síria

Desemprego volta a aumentar nos EUA depois de onze meses

 

De acordo com fontes da inteligência norte-americana, os cientistas iranianos não tinham conhecimento da operação e não sabia ao certo a razão pela qual diversas de suas centrífugas em Natanz estavam operando com velocidades irregulares. O governo teria se limitado a colocar alguns equipamentos sob quarentena e demitir técnicos que julgava responsáveis pelos defeitos.

Em 2010, devido a um erro de programação, o Stuxnet, uma variedade de cavalo de tróia, infectou o notebook de um cientista iraniano, que acabou disseminando-o involuntariamente pela internet. De acordo com a reportagem, o vírus conseguiu alcançar computadores localizados em países como índia e Indonésia.

O New York Times procurou autoridades do governo dos EUA para comentar as descobertas, mas nenhum reconheceu a existência de programas de desenvolvimento de armas de ataque virtual. O jornal conversou com fontes oficiais e apurou essas informações por mais de 18 meses.

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô