Hollande cumpre promessa e facilita caminho para imigrantes estudarem na França

Antes, orientação do governo Sarkozy era para que departamentos do país dificultassem acesso dos estrangeiros à educação e ao mercado de trabalho

 

Embora tenha assumido seu cargo há pouco mais que 20 dias, o presidente da França, François Hollande, já adotou medidas para marcar o rompimento com o modelo político que vigorou nos cinco anos de mandato de seu antecessor, Nicolas Sarkozy.

Entre redução dos salários de membros do governo (inclusive do seu) e limitação dos ganhos de grandes executivos, o gabinete do líder socialista emitiu na semana passada uma normativa na qual determina que os serviços do Estado auxiliem jovens estrangeiros a ingressar no mercado de trabalho.

A decisão revoga diretrizes implementadas durante o governo anterior, que pretendia enrijecer os obstáculos para o ingresso de profissionais e estudantes estrangeiros no país. Um ano antes, Claude Guéant, então ministro do Interior de Sarkozy, recomendava a cada departamento que examinasse “com rigor” a documentação de cada estudante estrangeiro para limitar a presença de imigrantes na França. Isso afetaria os cerca de 60 mil alunos que ingressam anualmente em instituições de ensino do país.

Agência Efe

 

"Cicciolina" francesa atrai as atenções em campanha da extrema-esquerda

Pela primeira vez, França cogita intervenção armada na Síria

Governo da França anula circular que expulsava universitários estrangeiros

 

 

A partir de agora, a orientação do governo passa a ser “facilitar a emissão de uma autorização para residência e para o exercício de atividades profissionais”. Antes, qualquer universitário estrangeiro que se candidatasse a uma vaga de trabalho deveria, por determinação do governo, apresentar comprovantes da realização de atividades acadêmicas.

Com a nova regulamentação, esse critério fica extinto e diretores de instituições de ensino passam a ser incentivados a emitir cartas de recomendação. Uma vez que o estudante é contratado ou recebe um convite de trabalho, ele já poderá requerer do governo sua permissão de residência sem ter a obrigação de apresentar um diploma.

O documento tenta atrair estudantes para a França, argumentando que participar de algum curso no país significa poder apresentar “um percurso de excelência para enfrentar o mercado internacional de trabalho”. Isso porque entregar ao estudante subsídios para ser recrutado por uma empresa “vinculada a seu país de origem” e à “sua zona cultural” também é uma das metas da resolução.

Nesse que é um contraponto à política de cortes de verbas para a educação do governo Sarkozy, os departamentos franceses deverão estar “atentos” para fornecer todas as informações relevantes “logo no primeiro contato dos estudantes”com os órgãos administrativos do país. Atualmente, a análise dos documentos de universitários estrangeiros na França leva o equivalente a seis meses. A intenção é reduzir esse prazo para, no máximo, dois meses, de tal forma que os primeiros contatos profissionais dos jovens não sejam afetados.

A medida parte do pressuposto de que “o acolhimento de estudantes estrangeiros faz parte da influência da França, da demanda por nossas escolas e universidades, bem como do dinamismo de nossa economia”. Dessa forma, mesmo “aqueles que retornarem a seus países de origem com um diploma ou com uma experiência profissional na França irão contribuir para o desenvolvimento de suas nações”.

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias