Jogador de futebol palestino consegue liberdade e encerra greve de fome de 92 dias

Preso há três anos, Mahmoud al-Sarsak nunca chegou a ser julgado nem denunciado formalmente pela Justiça de Israel

Reprodução

Imagem de campanha pela libertação do jogador palestino chegou até as redes sociais. 

Mahmoud al-Sarsak, prisioneiro palestino em greve de fome há 92 dias, conseguiu um acordo com autoridades israelenses nesta segunda-feira (18/06), segundo seu advogado, Mohamed Jabarin. O jogador de futebol será solto no dia 10 de julho e em troca, voltará a se alimentar.

Jabarin também disse que o palestino, de apenas 25 anos, será internado em um hospital civil devido ao seu complicado estado de saúde. No início de junho, médicos de organizações de direitos humanos afirmaram que Sarsak corria grave risco de vida em decorrência do longo período sem se alimentar.

Onda de xenofobia contra imigrantes africanos se espalha por Israel

Em 27 anos, Israel negou direito de 240 mil palestinos voltarem para casa

Faixa de Gaza não tem mais fontes de água potável, dizem ONGs

 

O caso do jogador palestino chamou a atenção de ativistas ao redor do mundo. Na Palestina, o acordo foi recebido com muita comemoração pelos moradores. Em Londres e Paris, dezenas foram às ruas pedindo a libertação de Sarsak e o boicote ao campeonato europeu de futebol sub-21, que será realizado em Israel em 2012.

Efe

Na Faixa de Gaza, dezenas protestam em apoio ao Mahmoud al-Sarsak.

Desde março deste ano, quando Sarsak iniciou a greve de fome, diversas campanhas virtuais e passeatas em solidariedade ao prisioneiro foram realizadas mundialmente. Até a Fifa se pronunciou sobre o caso, pedindo a intervenção da federação de futebol de Israel.

Histórico

Sarsak foi preso por forças israelenses há três anos quando realizava a travessia de Erez na fronteira da Faixa de Gaza com Israel. Sob acusação de ser um combatente da Jihad Islâmica, o jogador foi enquadrado na lei israelense de “combatentes infiéis” e nunca chegou a ser julgado nem denunciado oficialmente.

O meia da seleção palestina iniciou sua greve de fome a fim de conseguir um julgamento. 

Sarsak iniciou sua carreira com 14 anos no time do campo de refugiados de Rafah, na Faixa de Gaza. Quando foi preso, participava da seleção de futebol da Palestina.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias