Bolívia nega que expulsará Coca-Cola do país

Segundo a agência estatal boliviana, houve uma má interpretação da fala do chanceler David Choquehuanca

Atualizada às 17h30

O chanceler boliviano David Choquehuanca provocou uma confusão internacional nesta quarta-feira (01/08). A divulgação de uma fala sua, anunciando o fim das operações da Coca-Cola e do McDonald’s no país, obteve repercussão internacional. Agências de notícias e publicações de todo mundo, como o site da TeleSur, Huffington Post, El Pais e Forbes, e da Bolívia, como o La Razón, deram a notícia. O Opera Mundi também publicou a informação.

De acordo com a agência estatal de notícia ABI, o governo boliviano não obrigará a Coca-Cola a deixar de operar no país. Segundo o editor-chefe da agência, Jorge Cuba, houve uma má interpretação da fala do ministro, que estaria falando em tese, baseado em seus estudos do calendário maia. 

Num evento público, ao lado do presidente Evo Morales, o chanceler falou que "o dia 21 de dezembro de 2012 marca o fim do egoísmo e da divisão”. Por essa razão “o 21 de dezembro tem que ser o fim da Coca Cola e o começo do mocochinche (refresco de pêssego)”.

A rede de fast foods McDonald’s anunciou a falência de seus restaurantes bolivianos após “14 anos de tentativas infrutíferas de se instalar na cultura local”, nas palavras de Choquehuanca. Segundo um informe da cadeia norte-americana, o McDonald’s não atua no país desde 2002. 

O ministro das relações exteriores citou o calendário maia para explicar o “fim da Coca-Cola”. O fato estaria “em sintonia com o fim do calendário maia e fará parte das celebrações do fim do capitalismo e do início da cultura da vida”.

Promotor-geral boliviano diz que processará quem conceder salvo-conduto a senador asilado

Denúncias de trabalho escravo envolvem grifes de Buenos Aires

Bolívia inicia consulta sobre construção de estrada neste domingo

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias