Hoje na História: 1827 - Morre o pintor e ilustrador inglês William Blake

Em suas gravuras, trabalhava com escalas pequenas, mas com detalhes soberbos

Wikimedia Commons

William Blake, poeta e ilustrador inglês, morre em Londres, em 12 de agosto de 1827, aos 69 anos. Está enterrado num túmulo sem lápide em Bunhill Fields, na capital britânica. No dia de sua morte, Blake trabalhava exaustivamente em A Divina Comédia, de Dante Alighieri, apesar de seu mau estado de saúde.
 
O funeral, bastante humilde, foi pago pelo responsável pelas ilustrações do livro. Hoje, Blake é reconhecido como um santo pela Igreja Gnóstica Católica, e o prêmio Blake Prize for Religious Art (Prêmio Blake para a Arte Sacra) é entregue anualmente na Austrália em sua homenagem.
 
Blake nasceu em 28 de novembro de 1757 em Londres, terceiro de quatro irmãos. Seu pai, James, era um pequeno fabricante de meias e, com suas economias, pôde apenas oferecer a William escolaridade básica, o que lhe permitiu aprender a ler e escrever. Por um curto período frequentou também aulas de desenho.
 
O ilustrador trabalhou na loja de seu pai até que o despertar de seu talento para desenho se tornou tão óbvio que, aos 14 anos, foi levado ao ateliê do ilustrador de gravuras James Basire como aprendiz. Terminado o aprendizado deu início aos 21 anos a sua própria carreira.
 
Blake casou-se aos 25 anos com Catherine Boucher que, com ele, trabalhou na maior parte de suas criações artísticas. Juntos publicaram um livro com poemas e desenhos de Blake intitulado Songs of Innocence (Canções da Inocência).
 
Blake gravava palavras e ilustrações em chapas de cobre – um método que afirmava ter recebido em sonho – e Catherine coloria as chapas e encadernava os livros. Songs of Innocence vendeu pouco ao longo da existência de Blake, o que o forçou lutar por muito tempo, quase à beira da miséria.
 
Mais sucesso obteve uma série de gravações sobre cobre que Blake produziu para ilustrar o Livro de Jó para uma nova edição do Antigo Testamento.
 
Foto:

Hoje na História: 1867 - Karl Marx publica sua obra máxima, O Capital

Hoje na História: 1980 - AC/DC lança seu álbum mais célebre: Back in Black

Hoje na História: 1944 - Criador do Pequeno Príncipe, Saint-Exupéry desaparece durante voo sobre a costa francesa

 


Blake não tinha jeito para negócios e rejeitava os pedidos do editor para focar apenas em seus temas preferidos. Na escolha dos temas, Blake era com frequência levado por suas visões místicas e românticas do cristianismo: ao Songs of Experience (1794) seguiram-se Milton (1804-1808) e Jerusalem (1804-1820).

Em 1800, Blake ganhou um patrocinador em William Hayley, quem lhe pediu para ilustrar seu Life of Cowper e criar bustos de famosos poetas para sua casa em Felpham, Surrey.

Wikimedia Commons

Deus criando Adão, de William Blake, de 1795, em exibição na galeria Tate Modern, em Londres

Blake passou então a dedicar-se de corpo e alma ao trabalho. A falta do reconhecimento público levou-o a uma severa depressão que durou de 1810 a 1817 e mesmo os seus amigos mais íntimos o consideravam insano mentalmente.

Ao contrário de pintores como Thomas Gainsborough, Blake trabalhava com escalas pequenas. A maioria de suas gravuras podia ter a altura medida em polegadas. No entanto, os detalhes eram soberbos e exatos.

A obra de Blake só recebeu consagração pública após sua morte. Um fragmento de seu poema Milton tornou-se a letra de uma canção que passou a ser uma espécie de hino cristão não-oficial do nacionalismo inglês no século XX.

Também nesse dia:
1913 - Harry Brearley inventa o aço inoxidável
1851 - É inventada a máquina de costura
2000 - Submarino nuclear russo Kursk, acidentado, vai ao fundo do mar de Barents com 118 tripulantes
30 a. C. - Cleópatra VII, última faraonesado Egito, comete suicídio
1964 - Áfricado Sul é banida dos Jogos Olímpicos por sua políticas racistas

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica