Grécia permitirá venda de alimentos fora de validade

Condição é que produtos sejam vendidos a preços mais baixos; carne, leite e derivados são excluídos da medida

Wikimedia Commons


O governo do primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, deverá reativar, através de um decreto ministerial, uma antiga lei local que autoriza supermercados e outros estabelecimentos comerciais a venderem alimentos fora do prazo de validade, desde que por preços mais baratos. Apenas a carne, o leite e seus respectivos produtos derivados seriam excluídos dessa medida.

A medida fixa um limite máximo de datas em que os produtos poderão continuar a ser vendidos.

"A regulamentação existe há muitos anos. E é algo permitido também no resto da Europa. A única coisa que fizemos foi precisar que estes produtos serão vendidos a preços menores. Não entendo porque isso está causando tanto barulho”, disse Yorgos Moraitakis, assessor do Ministério de Desenvolvimento, Competitividade, Infraestrutura, Transporte e Comunicações.

Os alimentos que indicarem o dia e o mês na data de validade poderão se manter à venda por mais uma semana.
 

Foto:

Polícia grega é acusada de torturar manifestantes que protestavam contra neonazistas

Islândia mostrou o caminho ao rechaçar a austeridade

Na ativa, Occupy Londres faz um ano com panelaço contra a austeridade

 


No caso dos produtos cuja data de validade permita a indicação apenas do mês e do ano, a venda poderá estender-se por mais um mês, enquanto que, se o produto indicar apenas o ano, poderá ser vendido por mais um trimestre.

No entanto, a medida não estabelece o valor da queda do preço original, o que faz com que a redução fique ao critério de cada comerciante.

Protestos

A medida foi bastante criticada por associações de consumidores gregas, que a consideram uma prova da incapacidade do executivo grego em baixar os preços dos alimentos.

Victor Tsiafutis, da Associação de Consumidores "Qualidade de Vida", acusa o governo Samaras de praticar "um ato imoral", afirmando que o executivo deveria antes "tomar iniciativas para controlar os preços".

Já o presidente do Organismo Nacional de Alimentos, Yannis Mijas, considera "questionável que estes alimentos venham a ser vendidos a baixos preços, porque os mecanismos de controle de preços fracassaram".

Yannis Mijas considera também que a medida pode criar um dilema moral, uma vez que os comerciantes acabarão por se dividir entre aqueles que podem comprar produtos dentro do prazo e aqueles que, por motivos econômicos, "se vêem obrigados a recorrer a alimentos de qualidade duvidosa".

Em meio a uma crise que envolve corte de salários e pensões e desemprego galopante, o preço dos alimentos não deixou de subir. Entre os meses de agosto de 2011 a agosto de 2012, o preço do açúcar disparou em 15%; os ovos, 6,8%; a manteiga, 3,3%; e o café, 5,9%, segundo dados da autoridade estatística nacional.
 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos