Polícia de Nova York registra primeiro dia sem mortes violentas desde 1960

Cidade deve registrar queda no número de assassinatos neste ano, em comparação a 2011


A última segunda-feira (26/11) registrou um recorde histórico para a cidade de Nova York. Pela primeira vez desde 1960, o departamento de polícia local não registrou uma única morte causada por armas de fogo, armas brancas ou qualquer outra forma de crimes violentos.

De acordo com o historiador especializado sobre o NYPD (Departamento de Polícia de Nova York), Tom Repetto, entrevistado pela agência de notícias Reuters, um fenômeno como esse ocorrer “em uma cidade de oito milhões de habitantes é um fato extremamente raro”.

Wikimedia Commons


Até a última segunda-feira, Nova York registrou 366 homicídios em 2012, e deve apresentar desempenho melhor do que total registrado no ano de 2011, quando contabilizou 472. A taxa é bem inferior em relação a anos anteriores. Em 1990, por exemplo, ocorreram 2.245 mortes, bem longe do recorde, em 1994, com 4.967 ocorrências.

Os números de Nova York em 2012 também apresentam desempenho muito melhor, em comparação a cidades como Chicago (com 2,7 milhões de habitantes), com 462 pessoas mortas até agora, ou Filadélfia (1,5 milhões de habitantes), com 301.
 

Foto:

Polícia britânica alterou provas da tragédia de Hillsborough, aponta relatório

Além de ponto de partida, América Latina vira centro de destino de tráfico de mulheres, adverte OIM

Hoje na História: 1904 - Nova York inaugura sua primeira linha de metrô

 


Segundo Repetto, esse número pode ser explicado através de táticas que ele chama de “pró-ativas”, como o aumento considerável de revistas policiais e a permissão expressa para que eles abordem e revistem qualquer pessoa considerada suspeita, além de seus bens, como carros e bolsas. No entanto, esses dados também podem ser contestados, já que foi registrado um aumento de 9% de furtos, especialmente de objetos como tablets e celulares.

No entanto, a mesma “segunda-feira de paz” registrou uma ocorrência violenta não-letal envolvendo armas de fogo: um adolescente de 16 anos deu entrada em um hospital no bairro do Bronx com uma bala instalada em uma de suas coxas. Ele testemunhou que o tiro foi dado por ele mesmo de maneira acidental.

A trégua, no entanto, acabou às 11h20 da terça-feira (27), quando um homem de 27 anos foi morto no Brooklyn, o primeiro homicídio registrado depois das 22h15 do domingo.
 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

STJ rejeita censura e libera site 'Falha de S.Paulo'

Site fazia paródias do jornal Folha de S.Paulo e está fora do ar desde 2010, quando o processo começou; colegiado entendeu que a proibição, pedida pela Folha, era uma tentativa de censura e fere a irreverência do direito ao entretenimento

 

Brasil, um pária das Relações Internacionais

Angela Merkel, chanceler alemã, é uma das líderes internacionais que visitou América do Sul nos últimos meses sem sequer fazer uma escala em Brasília; no cenário internacional, o 'fora Temer' sempre foi uma realidade