Lula chega a Cuba para participar da 3ª Conferência Pelo Equilíbrio do Mundo

Evento comemora o 160º aniversário do nascimentoem do poeta e jornalista independentista cubano José Martí

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou nesta segunda-feira (28/01) a Havana para participar da 3ª Conferência Internacional Pelo Equilíbrio do Mundo.

Cabo de fibra ótica submarino que une Cuba à Venezuela começou a funcionar

Encontro de chanceleres da Celac-UE tem investimentos como tema central

Embaixada de Cuba comemora 160 anos de nascimento de herói da independência

 

Lula deve participar nesta terça-feira (29/01) da apresentação do livro "Os últimos soldados da Guerra Fria", do escritor brasileiro Fernando Morais, em um dos atos da conferência inaugurada ontem em homenagem ao poeta e jornalista independentista cubano José Martí no 160º aniversário de seu nascimento.

Em sua chegada ao aeroporto internacional José Martí, o ex-governante foi recebido pela vice-chanceler cubana, Ana Teresa González Fraga, informou a agência estatal Prensa Latina, sem oferecer outros detalhes.

Esta é a segunda visita de Lula a Cuba desde junho de 2011, sua primeira viagem à ilha após concluir seu mandato. Como presidente visitou a maior das Antilhas em quatro ocasiões, a última delas em fevereiro de 2010.

Lula é um dos convidados da Conferência Internacional Pelo Equilíbrio do Mundo que reúne mais de 600 delegados procedentes de 44 países.

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Leonardo Boff: 'Estive preso e me impediram de visitar-te'

A pequenês de espírito de nossos juízes da Lava Jato e a negação de um direito assegurado a um Prêmio Nobel da Paz de visitar um seu amigo encarcerado, apenas comprova que efetivamente estamos sob a lógica negadora de democracia num regime de exceção