Equador terá 320 observadores internacionais para eleições de fevereiro

Entre os organismos estrangeiros representados estão OEA, Unasul, Parlamento Andino e Liga Árabe


O presidente do CNE (Conselho Nacional Eleitoral) do Equador, Domingos Paredes, confirmou nesta quarta-feira (30/01) que o número final de observadores internacionais que estarão presentes no país sul-americano para monitorar as eleições gerais será de 320. O primeiro turno da eleição será realizado no dia 17 de fevereiro.

Segundo Paredes, que participou de entrevista coletiva pela manhã, as atribuições desses observadores, que pertencem a diversos órgãos internacionais, serão de verificar o cumprimento das normas eleitorais durante a campanha e também de formular propostas para melhorar o processo eleitoral no futuro.

O CNE afirmou que esse monitoramento deverá ocorrem em 50% das províncias do país. O Programa de Observação Eleitoral, de acordo com Paredes, contará com especialistas de países dos cinco continentes, entre eles atores políticos, técnicos especializados e representantes do mundo político e cultural.

"A democracia tem custos. Atingir a transparência do que estamos organizando também, e vale muito a pena", disse Paredes, ao ser perguntado sobre o custo que representa a recepção dos observadores.
 

Documentos do Wikileaks fortaleceram Equador, diz Rafael Correa

Presidente equatoriano vai se licenciar do cargo para concorrer à reeleição em fevereiro

A eleição presidencial no Equador e o futuro da Revolução Cidadã

 


Entre os organismos internacionais representados estão a OEA (Organização dos Estados Americanos), a Unasul (União de Nações Sul-Americanas), a União Interamericana de Organismos Eleitorais, o Parlamento Andino, a Liga Árabe, entre outros.

Por sua vez, o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, também presente à coletiva, que contribuiu para a autorização de entrada dos observadores no país, afirmou que o governo aposta em uma "política internacional de Estado, que permitirá a cooperação e o acompanhamento do processo".

Cerca de 11,6 milhões de eleitores equatorianos estão convocados para a eleição, que irá escolher o próximo presidente e vice-presidente, além de 137 membros da Assembleia Nacional e cinco representantes do Parlamento Andino.
 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Morre embaixador da Rússia na ONU

Vitaly Churkin, de 64 anos, morreu 'repentinamente' em Nova York, anuncia Ministério do Exterior russo; diplomata atuava nas Nações Unidas há mais de uma década

 

Mais Lidas

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Últimas Notícias

Morre embaixador da Rússia na ONU

Vitaly Churkin, de 64 anos, morreu 'repentinamente' em Nova York, anuncia Ministério do Exterior russo; diplomata atuava nas Nações Unidas há mais de uma década

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE