Pesquisadores franceses anunciam cura funcional de 14 adultos portadores do vírus HIV

Há duas semanas, foi anunciado o mesmo resultado com um bebê; em ambos os casos, intervenção precoce foi chave


Duas semanas após a divulgação do primeiro caso de cura funcional do vírus HIV, em um bebê nos Estados Unidos, um grupo de pesquisadores franceses do Instituto Pasteur, em Paris, afirma, em um artigo publicado na revista “PLoS Pathogens,” que o mesmo ocorreu com 14 adultos infectados – eles ainda carregam vestígios insignificantes do vírus, causador da Aids, mas não apresentam mais seus sintomas.

A chave para esse resultado se deve, segundo os pesquisadores, ao início do tratamento o mais cedo possível após ser contraída a infecção.

Os adultos passaram a ser monitorados quando começaram a receber medicamentos antirretrovirais em até dez semanas após terem sido infectados. Eles obtiveram o diagnóstico precoce pois foram ao hospital tratar de outros problemas, e o vírus foi detectado no sangue. Cerca de três anos e meio depois, os pacientes interromperam o tratamento – os remédios foram retirados sob supervisão médica.

O vírus continua no sangue dos pacientes, mas em níveis tão baixos e quase indetectáveis que o sistema imunológico do organismo está em condições de controlá-lo sem qualquer necessidade de  tratamento antiretroviral,

Normalmente, quando o tratamento é suspenso, o vírus retorna. Mas isto não ocorreu com este grupo de pacientes. Alguns deles têm conseguido controlar os níveis de HIV durante uma década.
 

Tratamentos contra hiperatividade e DDA podem desacelerar crescimento, diz estudo

Pela primeira vez, soropositivo é indenizado por discriminação na China

Cientistas dos EUA anunciam primeiro caso de cura funcional da Aids

 


O pesquisador Asier Sáez-Cirión, do Instituto Pasteur, adverte que o tratamento rápido não funciona para todos, mas o novo estudo reforça a conclusão de que a intervenção precoce é importante. "A maioria dos indivíduos que segue o mesmo tratamento não vai controlar a infecção, mas alguns poucos irão", afirmou.

O tratamento precoce pode limitar o número de esconderijos inacessíveis do HIV no organismo. Mas os pesquisadores afirmam que ainda não foi esclarecido porque apenas alguns pacientes conseguiram a cura funcional.

Segundo Saez-Cirion, ao se atacar o vírus logo depois da infecção, entre 5% e 15% dos pacientes podem ter a cura funcional. "Eles ainda têm o HIV, não é uma erradicação do vírus, é um tipo de remissão da infecção", disse.

No dia 3 de março, uma equipe de virologistas dos Estados Unidos anunciou o primeiro caso de cura funcional da Aids, envolvendo uma menina que nasceu com o HIV transmitido pela mãe. A criança tem hoje dois anos e meio e não toma o medicamento há cerca de um ano, sem sinais de infecção.

Ela foi tratada com medicamentos antirretrovirais cerca de 30 horas após seu nascimento. Durante a gestação, a mãe não foi tratada contra a Aids. Com 29 dias de vida, a presença do vírus ficou indetectável. Os exames realizados posteriormente não revelaram a presença do HIV no sangue da menina.
 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica