O "pequeno" e "espremido" asilo político de Julian Assange em Londres

Com temor de ser extraditado aos EUA, criador do Wikileaks vive em escritório com espaço equivalente a uma sala de aula

O bairro de Knightsbridge, localizado no centro de Londres, é conhecido no Reino Unido pelo alto custo de vida e por ser abrigo de luxuosos prédios executivos. É também reduto de diversas comitivas internacionais: França, Paquistão, Turquia e outros países têm escritórios oficiais na região. Na rua Hans Crescent, próximo à avenida Brompton – cartão postal da cidade -, se localiza a Embaixada do Equador.

Leia mais:

Assange completa um ano na Embaixada do Equador sem perspectivas de sair
"Democracia morre atrás de portas fechadas", diz advogado de Assange
Podcast: legado do Wikileaks para liberdade de expressão na internet

O local é pequeno e não goza dos requintes e nem do conforto dos vizinhos de Knightbrigde. A imprensa europeia costuma caracterizar o prédio como "pouco ventilado", “pequeno e esprimido”, comparado aos palácios que circundam a rua.  "É um escritório, feito para o trabalho comum de uma embaixada", afirma o embaixador do Equador no Brasil, Horacio Sevilla Borja a Opera Mundi.

Agência Efe

Local onde Julian Assange mora faz parte de um prédio comercial repleto de escritórios - entre eles a embaixada equatoriana

Em 19 de junho de 2012, quando conseguiu escapar da custódia britânica, Julian Assage não teve tempo hábil para se mudar para a residência oficial do embaixador equatoriano em Londres. Às pressas, antes sofrer qualquer represália do Reino Unido, se refugiou no asilo político oferecido pelo Equador na embaixada de Knightbridge.

“Estou disposto a ficar mais cinco anos aqui se for preciso”, afirma o criador do Wikileaks e, agora a um ano, morador ilustre do local.

“Onde ele mora não é um local para residência. É um local muito difícil para viver e não tem condições para uma vida digna. O governo britânico conhece as condições precárias no qual Assange vive e, violando os direitos humanos, não permite que ele saia do local, pois, uma vez fora, será preso”, afirma Horacio Sevilla Borja

Escute a entrevista Horacio Sevila sobre as condições de vida de Assange em Londres:



Na semana passada, em entrevista à imprensa australiana, Assange, de 41 anos, afirmou “se sentir bem”. No entanto, “sofre com o desgaste natural de quem vive mais de um ano em um pequeno escritório, menor que uma sala de aula”, afirma, o advogado e representante de Assange nos EUA, Michael Ratner. “Fisicamente ele está bem, apesar que algum banho de sol e algumas caminhadas longas poderiam fazer muito bem”, afirma Ratner.

Leia a entrevista completa de Michael Ratner aqui

Ativistas e atores de Hollywood lançam campanha em apoio a Bradley Manning

Chanceleres do Equador e do Reino Unido discutem situação de Assange

"Democracia morre atrás de portas fechadas", diz advogado de Assange

 

Segundo a imprensa britânica, Assange recebe esporadicamente visitas que tentam amenizar o clima de tensão com “música e dança”. Sua assistente Sarah Harrison é a mais frequente no local.

Ele também recebe pessoas que o ajudaram a pagar a fiança, como, por exemplo, o jornalista John Pilger, ou Vuaghan Smith, que alojou Assange em Norfolk durante mais de um ano, enquanto ele combatia na justiça britânica o pedido de extradição para a Suécia. Não existem registros de visitas à Embaixada do Equador por Daniel Assange, filho do criador do Wikileaks.

Agência Efe

Oficiais britânicos fazem a segurança no local e vigiam uma possível saída de Julian Assange

Embora afirme que está pronto para continuar no local o tempo necessário para um acordo diplomático, o criador do Wikileaks já tentou diversas alternativas de se deslocar até um aeroporto internacional, onde conseguiria voar para o Equador.

Entenda o caso Assange aqui

“Nós sabemos que a polícia do Reino Unido foi orientada a quebrar as leis internacionais e me prender mesmo se eu estiver em um carro diplomático e tiver imunidade diplomática”, disse Assange a imprensa internacional.

(*) Com colaboração de João Novaes

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias