Portugal: economia deve cair 2% em terceiro ano de recessão

A previsão oficial é a de que a economia portuguesa só volte a subir no próximo ano

O PIB (Produto Interno Bruto) de Portugal deve cair 2% este ano. Será a terceira queda anual consecutiva. A geração de riqueza no país caiu 1,6% em 2011 e 3,2% em 2012. A previsão oficial é a de que a economia portuguesa só volte a subir no próximo ano (0,3%). Os dados são do Banco de Portugal (Banco Central) que divulgou nesta quarta-feira (17/07) o Boletim Econômico de Verão.

Agência Efe

Passos Coelho: Portugal vive grave momento político e econômico

O boletim indica uma ligeira melhora no cenário recessivo de 2013, mas perspectiva de menor crescimento no ano que vem do que inicialmente previsto na edição de primavera. “A atual projeção para o crescimento do PIB em 2013 representa uma revisão na alta de 0,3 ponto percentual ante a publicada no Boletim Econômico da Primavera, refletindo, em particular, uma evolução mais favorável das exportações de bens.

Por sua vez, a projeção para 2014 foi revista 0,8 ponto percentual para baixo, traduzindo, no essencial, o impacto da incorporação de medidas de consolidação orçamental”, indica o Banco de Portugal.

Este ano, a procura interna (empresas e famílias) cairá 4,4% e em 2014 ficará em baixa de 1,1%. A demanda nos dois anos é negativamente influenciada pela política de contenção de gastos do governo e de redução de investimentos para que o país tenha equilíbrio fiscal. Segundo a Assembleia da República, no entanto, a harmonia entre receita e despesa do Estado está ameaçada pois o déficit das administrações públicas do primeiro trimestre deste ano (4,1 bilhões de euros) consumiu quase metade (46%) do total previsto para todo ano.

Os dados de economia são divulgados no dia em que Portugal emite bilhetes do Tesouro Nacional de curto prazo (pagamento de seis a 12 meses) para tentar levantar cerca de 1,5 milhão de euros no mercado financeiro. A rentabilidade dos títulos e a solvência do emissor costumam ser observadas por investidores.

Presidente de Portugal defende acordo de médio prazo entre partidos

Partidos portugueses iniciam diálogo querendo pôr fim à crise política

Grécia tem dia de greve geral contra demissão de funcionários públicos

 

Segundo o Banco de Portugal, além do equilíbrio das contas públicas, o país busca reduzir o “grau de endividamento do setor privado” e desalavancar gradualmente o setor bancário. Esses fatores levarão ao reforço da capacidade de financiamento da economia portuguesa, fundamental para consolidar o regresso da posição de investimento internacional a uma trajetória sustentável, promovendo uma gradual normalização das condições de financiamento da economia portuguesa, de acordo com o documento.

Na última década, Portugal foi o país que menos cresceu entre as oito economias que formam a CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa).

Além dos problemas econômicos, há o risco de piora do quadro social e riscos de governabilidade.

Amanhã, a Assembleia da República vota moção de censura ao governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho enquanto, ao mesmo tempo, os três maiores partidos políticos tentam um acordo de “salvação nacional”, conforme pedido pelo presidente Aníbal Cavaco Silva.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias