Morre León Ferrari, considerado maior artista plástico da Argentina

Crítico da Igreja Católica e da ditadura, ele já foi chamado de "blasfemo" pelo papa Francisco

Wikicommons
Polêmico e crítico ferrenho da Igreja Católica e da ditadura militar na Argentina, o artista plástico León Ferrari morreu nesta quinta-feira (25/07) em Buenos Aires, sua cidade-natal. Ele tinha 92 anos e foi vítima de um câncer. 

Ferrari, considerado o maior artista plástico argentino, ganhou notoriedade por seu trabalho provocativo sobre temas como guerra, religião, poder e sexo, mas também chamou a atenção internacional por seus comentários fortes e polêmicos. Ele defendeu, por exemplo, que a Igreja Católica foi cúmplice da ditadura argentina e chegou a chamar Jesus Cristo de “intolerante”.

Sua postura crítica é perceptível em grande parte de suas obras, como a famosa escultura “La Civilización Occidental y Cristiana”, feita em 1965, em que Jesus é pregado em um avião bombardeiro norte-americano. Quando Jorge Bergoglio foi escolhido como novo papa, Ferrari disse ao jornal Folha de S. Paulo que era “um horror” e que ele seria um papa “muito autoritário, com certeza”.  

A carreira artística do argentino se iniciou na década de 1950 e ele chegou a expor algumas peças em Milão em 1955, mas só obras de arte abstratas, o que parou de fazer exatamente em 1965, quando criou “La Civilización Occidental y Cristiana”, sua obra mais conhecida.

Entre 1976 e 1991, Ferrari exilou-se no Brasil, por conta do regime militar na Argentina, sendo que um de seus três filhos desapareceu por conta da repressão. Em São Paulo, onde viveu, ainda moram duas netas suas.

Na Argentina, presidente muda ministros da Segurança e da Defesa

Na Argentina, Cristina substitui toda a cúpula militar após troca ministerial

Brasil pretende incluir profissionais argentinos no programa Mais Médicos

 

O artista plástico foi crítico da Igreja por muitos anos e, em 2004, uma retrospectiva de sua obra exposta no Centro Cultural Recoleta, em Buenos Aires, foi invadida por grupos católicos e teve algumas peças destruídas. À época, o atual papa Francisco, então cardeal, chamou Ferrari de “blasfemo”.

Em 2007, ele recebeu o Leão de Ouro na 52ª Bienal de Veneza, principal prêmio das artes visuais. Em 2010, a Arco, feira de artes de Madri, concedeu a ele o título de melhor artista internacional vivo pelo conjunto da obra exposta lá. No ano passado, recebeu ainda o prêmio Konex de Brilhante, entregue na Argentina.

Recentemente, por já estar doente de câncer, Ferrari não pôde comparecer à exposição em sua homenagem realizada no instituto cultural da ESMA, ex-centro de tortura transformado em museu de direitos humanos. 

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias