EUA espionam para obter vantagens comerciais e industriais, diz jornalista do Guardian

Glenn Greenwald afirmou que possui de 15 a 20 mil documentos cedidos por Snowden

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, colunista do jornal britânico The Guardian e responsável pela publicação de documentos vazados pelo ex-analista da CIA Edward Snowden, disse nesta terça-feira (06/08) que os EUA praticam espionagem não apenas para se proteger do terrorismo, mas também para obter vantagens comerciais e industriais.

Agência Senado

O jornalista Glenn Greenwald: EUA tem sistema "muito complexo" de espionagem

Em audiência pública com os integrantes da CRE (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional) do Senado brasileiro em Brasília, Greenwald, que mora no Rio de Janeiro, afirmou que recebeu de Snowden entre 15 e 20 mil documentos, “muito, muito completos e muito longos”. Ele acrescentou que as informações publicadas correspondem a uma parte pequena desse contingente.

Leia mais:
Rússia quer ajuda de Snowden em investigação sobre espionagem norte-americana

“As histórias que nós publicamos são uma porção pequena. Certamente haverá maiores revelações sobre as atividades de espionagem do governo dos Estados Unidos e seus aliados [...] sobre como eles penetraram nos sistemas de comunicações do Brasil e da América Latina”, afirmou. Para Greenwald, o país que conceder asilo a Snowden terá acesso a esses dados confidenciais, porque o norte-americano possui milhares de documentos.

Leia mais:
Mercosul apresenta à ONU queixa sobre espionagem dos EUA

"Há documentos com informações ainda mais explosivas", garantiu, apesar de ter dito que essas só serão reveladas caso aconteça algo com Snowden. Esses dados, segundo o jornalista, são coletados por 70 mil pessoas que trabalham no serviço de espionagem dos Estados Unidos.
 

EUA dizem que fecharam embaixadas por levar “muito a sério ameaça significativa”

Foram Manning, Snowden e Assange que correram riscos para expor crimes

Nos EUA, mais de 3 mil se oferecem para cumprir pena no lugar de Bradley Manning

 


Greenwald afirmou que, para espionar cidadãos norte-americanos, “é necessário pedir autorização judicial, mas, para outros países e pessoas, não”. Além disso, de acordo com ele, a NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA, na sigla em inglês) pede qualquer comunicação e as empresas de telefonia e internet -- Google, Microsoft e Apple, por exemplo -- a fornecem sem qualquer questionamento.

O jornalista ressaltou que um dos riscos dessas práticas é que o governo não tem controle sobre quais funcionários realizam a espionagem e nem sobre o que eles podem fazer com as informações sensíveis às quais têm acesso.

"O problema é que, quando se tem um sistema desse tamanho, é difícil controlar esse número grande de pessoas”, disse Greenwald, que descreveu o sistema de espionagem norte-americano como muito complexo. Snowden, segundo ele, pegou "20, 25 mil documentos supersecretos".

Edward Snowden vazou milhares de informações sigilosas sobre os programas de espionagem dos EUA e é acusado de traição pelo governo norte-americano. Atualmente, encontra-se na Rússia, que na semana passada lhe concedeu asilo temporário de um ano na condição de "refugiado". Seu paradeiro agora é desconhecido.
 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias