Participação política de mulheres na América Latina é baixa, apesar das cotas

"A democracia sem as mulheres não é democracia", afirmou ex-senadora colombiana

A América Latina mostra significativos avanços na participação política da mulher, que, no entanto, ainda é muito baixa, afirmaram nesta terça-feira (20/08) mulheres esquerdistas reunidas em Honduras.

Integrantes do Mecanismo de Mulheres da COPPAL (Conferência Permanente de Partidos Políticos da América Latina e do Caribe), e de partidos membros do Foro de São Paulo participaram hoje de um encontro denominado "Avanços na participação política das mulheres na América Latina", promovido pelo Livre (Partido Liberdade e Refundação) de Honduras, do ex-presidente hondurenho deposto Manuel Zelaya.

"Apesar de o avanço em alguns casos ser real, o avanço significativo não é o que nós esperávamos, mesmo diante dos acordos internacionais assinados para estabelecer cotas de participação política de mulheres", disse a ex-senadora colombiana Piedad Córdoba, acrescentando que "ainda falta muito para aumentar a participação política da mulher na América Latina".

Os partidos e as organizações da sociedade civil "possuem um papel importante" na hora de promover a participação das mulheres, ressaltou Piedad no evento, do qual Zelaya participou junto com a esposa, Xiomara Castro, candidata à presidência de Honduras.

"A democracia sem as mulheres não é democracia", disse Piedad após defender que a participação feminina "não pode mais se resumir apenas à mobilização, a organizar festas e a colocar a mesa, mas a ser consciente e política".

Mães colombianas buscam justiça após ingerir anticoncepcionais falsos

Lei que exclui lésbicas de reprodução assistida cria polêmica na Espanha

Vereadora é impedida de tomar posse no Irã por ser “sexy demais”

 

Xiomara destacou, por sua parte, que a democracia é "ineficaz se não servir para fornecer liberdade, igualdade e segurança humana à nossa sociedade".

As mulheres "demandam uma genuína forma de expressão e de participação política", ressaltou Xiomara, que quer chegar ao poder por meio das eleições gerais que serão realizadas no dia 24 de novembro desse ano.

A dominicana Quisquella Lora, membro da COPPPAL, declarou que na América Latina houve avanços no aumento da participação política da mulher, mas que ainda "tem muito a ser feito, porque a presença das mulheres nos postos fundamentais continua muito desigual".

A educação, segundo Quisquella, é a "chave da visibilidade das mulheres".

Quisquella destacou que é importante que a sociedade "conceba que uma mulher pode ser presidente" e pediu aos hondurenhos que elejam Xiomara Castro no pleito que terá, pela primeira vez, a participação de nove partidos políticos.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.