Wikileaks: Bradley Manning é condenado a 35 anos de prisão

Soldado que vazou documentos secretos dos EUA poderá solicitar liberdade condicional após cumprir um terço da pena

Atualizado às 15h50

O soldado norte-americano Bradley Manning, acusado de fornecer ao Wikileaks milhares de documentos secretos dos Estados Unidos, foi condenado a 35 anos de prisão nesta quarta-feira (21/08). Manning, que foi declarado culpado de 20 acusações, entre as quais violações da lei da espionagem e roubo de informação governamental, estava sujeito a uma pena máxima de 90 anos de prisão.

Efe

Manifestante protesta contra o julgamento do soldado Bradley Manning do lado de fora do tribunal militar, em Maryland, EUA

Manning terá de cumprir um terço da pena antes de receber o direito de pedir liberdade condicional. O soldado recebeu um crédito de 1293 dias pelo tempo que esteve preso antes de ser condenado, nos quais se incluem 112 dias pelo tratamento abusivo ao qual foi submetido na prisão de Quantico.

A promotoria havia pedido 60 anos de prisão ao considerar que Manning merece passar a maior parte do resto de sua vida na cadeia. Já a defesa disse que o ex-soldado não deve passar mais de 25 anos detido, tempo que será necessário para que os documentos que divulgou não sejam mais considerados confidenciais.

Foto:

Nos EUA, mais de 3 mil se oferecem para cumprir pena no lugar de Bradley Manning

Bradley Manning pede “perdão” por ter prejudicado os EUA

Teste do Pentágono detecta "ameaças internas" entre funcionários nos EUA

 


O processo judicial realizado no tribunal militar de Fort Meade (Maryland) começou com as vistas preliminares em dezembro de 2011, enquanto o julgamento começou em junho. Manning, que serviu no Iraque como analista de inteligência em 2009 e 2010, vazou, segundo confessou no julgamento, centenas de milhares de documentos das guerras neste país e no Afeganistão e mensagens diplomáticas do Departamento de Estado, que foram publicadas pelo Wikileaks.

A questão abriu um debate mundial sobre o papel dos EUA no mundo e sobre as injustiças cometidas na guerra contra o terrorismo após os atentados de 11 de setembro de 2001. Manning, que pediu perdão pelo prejuízo causado aos EUA, não foi acusado de "ajuda ao inimigo", que poderia siginifcar uma condenação à prisão perpétua.

O principal advogado de defesa, David Coombs, pediu clemência para seu cliente. Ele afirmou que Manning expressou remorso, cooperou com o tribunal e merecia a chance de ter uma família e de caminhar livre um dia. Coombs indicou que vai pedir a graça presidencial de Manning a Barack Obama.

Ainda assim, 35 anos é a pena mais severa já sentenciada a um caso de divulgação de dados sigilosos. O soldado receberá um desconto de 1.293 dias em sua pena referente ao tempo que já cumpriu.
 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias