EUA têm plano para "ataque militar limitado"; Reino Unido já movimenta seu Exército

Mesmo sem confirmação oficial de uso de armas químicas na Síria, potências ocidentais se articulam para nova intervenção no Oriente Médio

"Os tambores de guerra estão tocando ao redor da Síria", afirmou o ministro das Relações Exteriores,Walid al Muallem. A afirmação veio nesta terça-feira (27/08) após a notícia que os EUA já preparam um ataque em represália às denúncias de utilização de armas químicas pelo Exército sírio. O plano de Washington não pretende interferir no conflito civil do país, mas, sim, “atacar instalações das Forças Armadas da Síria e impedir a produção de armas químicas”, afirmaram altos funcionários do Pentágono à mídia norte-americana e ao jornal El Pais.

Leia mais:
Síria responde ameaças de invasão: “vamos nos defender e surpreender o mundo”
Roteiro de guerra na Síria segue trama de filme B

Agência Efe

Mesmo sem provas, governo Obama já prepara militares para intervenção na Síria

Mesmo sem qualquer comprovação oficial ou conclusão dos trabalhos de perícia da ONU (Organização das Nações Unidas), os EUA já estudam o ataque militar que vai ter “alcance militado” às Forças Armadas do governo Assad. Uma fonte do governo norte-americano confirmou à rede CNN e ao jornal Washington Post que o Pentágono já movimenta tropas no Mediterrâneo.

Leia também:
Rússia denuncia "onda de propaganda anti-Síria", enquanto ONU fala em "intervenção"

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou categoricamente ontem que foram utilizadas armas químicas na Síria. Kerry classificou os ataques de “inegáveis” e “indesculpáveis”. “É real e convincente. É uma obscenidade moral”, disse. O presidente Bashar al Assad, diz Kerry, possui esse tipo de munição em estoque e pediu que o governo da Síria seja transparente. “Se o regime não tem o que esconder, então a resposta dele precisa ser transparente”, afirmou.

Leia mais:
Conflito na Síria fez mais de um milhão de crianças refugiadas, diz Unicef

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, por sua vez, interrompeu suas férias e voltou à residência de Downing Street nesta terça-feira (27) devido ao forte apelo dos partidos políticos do país para convocar o Parlamento e analisar a crise da Síria. Em nota oficial, o governo britânico afirmou que já movimenta as suas tropas para uma possível intervenção na Síria.

Leia mais:
Fuga de senador boliviano para o Brasil derruba Patriota

Segundo informações da Agência Efe, o Parlamento britânico se reunirá nesta quarta-feira (28)  em caráter de urgência, interrompendo o recesso de verão (no hemisfério norte) para debater uma resposta do Reino Unido ao suposto ataque com armas químicas na Síria, anunciou nesta terça-feira o primeiro-ministro do país, David Cameron.

"Haverá uma clara moção do governo e será realizada uma votação sobre qual será a resposta do Reino Unido aos ataques com armas química", disse o chefe de governo em sua conta no Twitter.
 

Cidade dos EUA irá prender mendigos que não saírem do centro

Advogados de David Miranda levam caso ao Tribunal Superior de Londres

“Síria é maior ameaça à paz mundial” diz enviado da ONU ao país

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo

 

Santos anuncia ingresso da Colômbia na OTAN

O presidente e prêmio Nobel da Paz, J. Manuel Santos, escolheu ingressar na historicamente belicista OTAN na mesma semana em que se inicia a etapa final do processo eleitoral colombiano