Parlamento britânico rejeita plano de Cameron para intervir na Síria

Proposta do primeiro-ministro foi derrotada com 285 votos contra e 272 a favor

O parlamento britânico rejeitou nesta quinta-feira (29/08) por uma pequena margem a moção do primeiro-ministro, David Cameron, que propunha uma intervenção militar "legal e proporcional" na Síria.

"Está claro que o Parlamento não quer uma intervenção militar na Síria. Entendo e o governo atuará em conformidade", disse Cameron após perder a proposta na Câmara dos Comuns.

A moção foi rejeitada por 285 votos contra e 272 a favor, depois que o Partido Trabalhista, de oposição, se posicionou contra a sugestão do primeiro-ministro conservador de responder ao suposto uso de armas químicas na Síria.

Charge do Latuff: Rússia e China se unem contra EUA e intervenção militar na Síria

A pressão da oposição trabalhista e de alguns deputados da coalizão do governo já tinha obrigado Cameron a suavizar sua primeira proposta e a apresentar hoje um texto que condicionava a invasão a uma segunda votação na Câmara dos Comuns, assim que for entregue o relatório dos inspetores da ONU.

Mesmo assim, a moção foi derrubada, pouco depois de uma emenda apresentada pelos trabalhistas que pediam "provas conclusivas" dos supostos ataques com armas químicas do regime de Bashar al Assad também ter sido rejeitada.

Leia mais: EUA não contestarão leis dos estados que liberam uso de maconha

A emenda trabalhista foi rejeitada por 332 votos contra e 220 a favor, um indicativo da divisão da Câmara dos Comuns sobre uma possível intervenção militar na Síria.

Intervenção militar é último recurso para caso da Síria, diz novo chanceler brasileiro

Para Hollande, violência na Síria deve ser detida; exército francês afirma estar pronto

Rússia envia navios de guerra para o Mediterrâneo, diz Interfax

 

Cameron tinha pedido aos deputados que apoiassem o "princípio" de uma intervenção militar em resposta aos supostos ataques com armas químicas do regime sírio, apesar do condicionamento a uma segunda votação, por exigência trabalhista, da autorização do envolvimento direto do Reino Unido no conflito.

Ao iniciar o debate, o premiê conservador afirmou que um ataque com armas químicas é "um crime contra a humanidade" e que uma intervenção na Síria não seria "uma invasão nem assumir uma posição" entre os grupos envolvidos na guerra civil que enfrenta o país. 

(*) com Agência Efe

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias