Novos documentos vazados afirmam que Petrobras também foi alvo de espionagem norte-americana

Em resposta, NSA afirma que coleta informações para prever crises econômicas que afetem mercados internacionais


Novos documentos vazados da NSA (Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos) afirmam que a rede privada de computadores da Petrobras foi alvo de espionagem do governo norte-americano. As informações foram divulgadas na noite deste domingo (08/09) pelo programa Fantástico, da Rede Globo. Os documentos foram obtidos pelo jornalista norte-americano Glenn Greenwald através do ex-agente Edward Snowden, exilado na Rússia, e que divulgou outros milhares de registros em junho. Segundo a reportagem, o Google e o Quai d’Orsay, sede da diplomacia francesa, também foram alvo de ataque.

José Cruz/Agência Brasil

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, sendo entrevistado por congressistas brasileiros 

Os documentos, classificados como “ultrassecretos” mostram uma apresentação interna de maio de 2012 relatando um treinamento para funcionários da agência sobre como espionar "redes privadas de computadores". Este treinamento citou a estatal brasileira como um dos "muitos alvos" que "usam redes privadas. Embora tenha sido citada por diversas vezes nos textos, não há informação de que tipo de documentos a agência estava buscando.

Leia mais:
O negócio delas é assassinar a democracia, diz líder hacker sobre agências de espionagem
Wikileaks mapeia empresas que lucram com espionagem digital

Google acelera criptografia de dados após denúncias de espionagem da NSA

A NSA respondeu à reportagem dizendo que não usa sua capacidade de espionagem para roubar segredos de empresas estrangeiras. Questionada sobre o motivo de ter espionado a Petrobras, a agência norte-americana informou que isso é tudo o que tem a dizer no momento. No entanto, após a reportagem, o órgão enviou uma segunda nota de imprensa, desta vez assinada pelo diretor nacional de inteligência dos Estados Unidos, James Clapper. Segundo ele, o governo americano coleta informações econômicas e financeiras “para prevenir crises que possam afetar os mercados internacionais”.
 

EUA prometem responder Brasil e México sobre novas denúncias de espionagem

Dilma cancela envio de equipe que prepararia visita aos EUA, diz jornal

Gigantes da tecnologia também apostam na vigilância

 


As redes privadas do Ministério das Relações Exteriores da França e da Swift (Sociedade para Telecomunicações Financeiras Interbancárias Globais, na tradução do inglês), cooperativa que reúne mais de 10 mil bancos de 220 países, também foram analisadas. Qualquer remessa de recursos que ultrapassa fronteiras nacionais necessita ser analisada pela Swift.

Leia mais:
Obama assumiu responsabilidade pessoal pela investigação de espionagem, diz Dilma
Serra se solidariza com Dilma por causa de espionagem norte-americana e é criticado por seguidores

Dilma Rousseff e Peña Nieto foram alvo de espionagem dos Estados Unidos

Na semana anterior, o programa havia exibido documentos que mostravam que a agência monitorava conversas telefônicas e via eletrônica com assessores, assim como entre assessores e terceiros. O então candidato favorito à Presidência do México, Enrique Peña Nieto, eleito presidente em 2012, também foi alvo das espionagens.

A primeira reportagem irritou profundamente a presidente Dilma Rousseff, que afirmou durante reunião ministerial que o pré-sal seria o alvo das investigações – e não questões de segurança  ou combate ao terrorismo. O leilão no campo petrolífero de Libra, avaliado em 15 milhões de dólares e marcado para outubro, contará com a participação de todas as empresas petrolíferas norte-americanas. Ela cogita cancelar a visita de Estado que faria a Obama em outubro caso as explicações não sejam satisfatórias e deu um prazo até quarta-feira (11/09). Na semana passada, ela se reuniu com o presidente norte-americano, em Moscou, durante reunião de cúpula do G20. Segundo Dilma, ele teria assumido responsabilidade pessoal pela investigação do ocorrido.
 

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias