EUA espionaram Merkel por mais de dez anos, diz revista

Celular de chanceler estava em lista de "coleta especial" da NSA desde 2002

Agência Efe
Os Estados Unidos espionaram o celular da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, por mais de dez anos, segundo informou neste sábado (26/10) a revista alemã Der Spiegel. De acordo com a publicação, o presidente Barack Obama disse a Merkel que teria parado a prática se soubesse o que estava acontecendo.

Leia mais:
Agência de espionagem britânica quer impedir que documentos sejam utilizados em processos criminais

Der Spiegel, cuja edição será publicada amanhã (27), revela que espionar Merkel já aparece na lista de “coleta especial” da NSA (Agência de Segurança Nacional, na sigla em inglês) em documentos de 2002, três anos antes de ela ser eleita chanceler. A ordem de vigilância à líder alemã seguia em vigência poucas semanas antes da visita de Obama a Berlim, em junho.

Leia mais:
França e Alemanha tentam acordo bilateral para frear espionagem dos EUA

A revista não esclarece se a agência ouvia as conversas de Merkel e lia suas mensagens de texto ou apenas acessava dados de conexão sobre quando, com quem e a partir de onde a chanceler se comunicava.

Leia mais:
“Todas as cartas devem estar sobre a mesa”, diz ministro de Merkel a embaixador dos EUA

De acordo com a documentação da NSA, além de Berlim, os EUA teriam mantido na Alemanha uma base de espionagem em Frankfurt. Sobre o centro da capital, o documento da agência diz que “não é legalmente registrado” e que sua descoberta provocaria “graves danos para as relações entre os EUA e outros países”. 

Alemanha convoca embaixador dos EUA por espionagem a Merkel

Espanha vai convocar embaixador dos EUA em Madri para abordar suposta espionagem

Maioria de mexicanos e salvadorenhos ainda acredita no "Sonho Americano", diz pesquisa

 

A publicação acrescenta que, em 2010, os Estados Unidos contavam com cerca de 80 centros de espionagem ao redor do mundo, 19 dos quais em cidades como Madri, Berlim, Paris, Roma, Praga e Genebra.

Desculpas

Obama se desculpou com Merkel quando ela telefonou para ele na última quarta (23) cobrando explicações sobre a suspeita de que tinha sido espionada, baseada em documentos vazados pelo ex-analista da CIA Edward Snowden.

O presidente norte-americano teria dito também que não sabia que a chanceler estava sendo espionada. Tanto o porta-voz de Merkel quanto a da Casa Branca se recusaram a comentar o ocorrido.

“Não vamos comentar os detalhes sobre nossas discussões diplomáticas”, afirmou Caitlin Hayden, uma porta-voz do Conselho de Segurança Nacional na Casa Branca.

A Alemanha deve enviar chefes da inteligência a Washington na próxima semana para tentar obter respostas sobre as alegações de que Merkel teria sido espionada. Na quinta (24), diplomatas alemães e brasileiros se reuniram em Nova York para discutir a espionagem dos EUA. Eles desejam que a ONU vote resolução por privacidade na internet ainda esse ano. 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior