Com contusão de Anderson Silva, UFC fica sem ídolos, diz Guardian

Parte da imprensa dá Anderson como virtualmente aposentado; violência do esporte também é criticada

Wikicommons/Divulgação
A derrota do lutador Anderson Silva, ocorrida na madrugada deste domingo (29/12) em Las Vegas, sudoeste dos EUA, causou repercussão na imprensa internacional. Enquanto muitas publicações destacavam que a revanche contra o norte-americano Chris Weidman pode ter sido o derradeiro capítulo da carreira profissional do brasileiro, outras questionam o futuro do UFC (Ultimate Fight Championship), que pode ficar sem ídolos, enquanto algumas ainda criticavam a violência da modalidade.

Leia mais:
A violência “sem regras” do UFC: saudades de Mike Tyson

O jornal britânico The Guardian destacou que, com a contusão e a possível aposentadoria de Anderson, somada ao anúncio da retirada do canadense Georges St.-Pierre dos ringues, o esporte perde seus dois principais ídolos dos últimos anos.

Esse fato  poderá dificultar seriamente, segundo o jornal, os planos do UFC – torneio mais prestigiado de MMA (sigla em inglês para Artes Marciais Mistas) no mundo –, de se expandir para a Europa. O mercado do UFC ainda está focado na América do Norte, com boa audiência no Brasil e um pouco nos países anglófonos. Para popularizar o UFC no Velho Continente, seus promotores planejam, além de fomentar lutas regionais, criar uma série de programas de reality shows.

O jornal não hesitou em chamar o esporte de controverso e lembrar a frase dada a ele pelo senador republicano John McCain, de “briga de galos humana”.

ONU dobrará forças de paz no Sudão do Sul após milhares de mortes

Salários de miséria no país da abundância

Presos do ETA admitem prejuízo causado às vítimas da luta separatista


Quem não poupou críticas ao esporte foi o blogueiro Sean Gregory, do site da revista norte-americana Time, lembrando que a lesão de Anderson não foi um mero acidente. O próprio adversário Weidman declarou que o lance decisivo da luta não foi acidental, pois se preparou para receber o chute, uma manobra que seu técnico apelida de “destruição”. No UFC, segundo o jornalista, essas contusões são comuns. “A contusão de Silva não faz o MMA ser violento. O MMA faz o MMA ser violento. Foi uma noite brutal para um esporte brutal”.

Reprodução/Time Magazine

Revista norte-americana Time critica agressividade do MMA

Gregory diz que o resultado da luta foi desastroso para o UFC, pois esta estava programada para ser talvez a luta mais importante da história da modalidade, anunciada por seu próprio promotor, Dana White. Ele suavizou sua crítica em apenas um momento: “Essa é a principal razão para o público preferir o MMA ao boxe. As lutas importantes realmente acontecem”, criticando o fato de nunca ter ocorrido o confronto entre o filipino Manny Pacquiao e o norte-americano Floyd Mayweather.

A luta

Anderson Silva, considerado o maior ícone do UFC, perdeu para Weidman na luta principal da noite, a revanche entre os dois lutadores – a primeira luta já havia sido vencida pelo norte-americano, colocando fim a 11 defesas de título do brasileiro. O momento decisivo da luta foi quando Anderson fraturou uma perna ao tentar aplicar um chute no adversário.
 

Leia Mais

Outras Notícias

Destaques

Últimas Notícias

Notícias + Lidas