Notícia

Egito anuncia datas de eleições presidenciais

Responsável por liderar golpe militar contra Mursi em julho de 2013, marechal al Sisi é favorito na disputa

O Egito vai realizar a primeira rodada de sua eleição presidencial nos dias 26 e 27 de maio, anunciou o comitê eleitoral do país neste domingo (30/03). Em conferência de imprensa, a comissão declarou que, se um segundo turno for necessário, ele acontecerá em meados de junho, com resultados previstos para o dia 26 de junho.

Além disso, o comitê eleitoral também acrescentou que a inscrição para a candidatura será aberta a partir de segunda (31/03) e ficará disponível até o dia 20 de abril. Um período de campanha de três semanas está previsto para começar no início de maio.

Na última quarta-feira (26/03), o ex-chefe do Exército Abdel Fattah al Sissi anunciou sua candidatura às eleições presidenciais após deixar as Forças Armadas do país. Responsável por liderar a derrubada do presidente islamita Mohamed Mursi em julho, Sisi é o favorito na disputa e é amplamente esperado para vencer o pleito.

Efe

Marechal al Sisi já era considerado favorito às eleições presidenciais, mesmo antes do anúncio oficial de sua candidatura

'Onda azul' da extrema-direita deve tomar eleições municipais na França

Sem experiência política e partido, magnata é novo presidente da Eslováquia

Mortes e confrontos marcam eleições municipais na Turquia

Turbulência

O Egito tem sido abalado por violentos protestos e uma onda de ataques que já mataram 496 pessoas. Na última segunda (24/03), um tribunal egípcio condenou à morte 529 membros da Irmandade Muçulmana sob acusações de homicídio e outros crimes contra o governo.

O veredicto representou a maior condenação em massa à pena capital na história moderna do Egito, segundo advogados envolvidos no caso, além de contribuir para um aumento na instabilidade do país. "Este é o processo mais rápido e o número de sentenciados à morte é o maior na história do Judiciário", afirmou um dos advogados de defesa dos líderes da Irmandade Nabil Abdel Salam, à Reuters.

A turbulência no Egito ganhou novas proporções no dia 3 de julho de 2013, quando o Exército realizou um golpe militar contra Mursi, o primeiro presidente democraticamente eleito da história do país, da Irmandade Muçulmana. Desde então, milhares de seguidores do grupo foram detidos e dezenas deles condenados, mas até agora não a pena de morte não havia sido decretada. Os islâmicos prometeram continuar os protestos.

Outras Notícias

O melhor da imprensa independente

Planeta surreal

Vídeo registra céu ao longo da noite em cenários fantásticos

Opera Mundi TV

1964: 50 anos do golpe

Destaques

Últimas Notícias

Notícias + Lidas

Séries Especiais