Revista Samuel: A Grande Muralha Verde

Com mais de 50 bilhões de árvores plantadas, China tem o maior programa de reflorestamento do mundo

Xinhua/Xie Xiudong

Mase Hiroki no deserto de Engebei, norte da China: japonês tornou-se voluntário para plantar árvores no deserto

Depois que a China foi afetada por devastadoras inundações ao longo da bacia do rio Yangtzé, em 1998, que causaram o afogamento de mais de quatro mil pessoas e deixaram 15 milhões de desabrigados, as autoridades puseram em prática o que é de longe a maior operação de plantio de árvores no mundo, em uma tentativa de deter a lenta desertificação, enchentes e outros problemas.

Leia este texto na Revista Samuel

O programa surgiu na forma de duas iniciativas nacionais, o Programa de Proteção da Floresta Natural e o de Devolução de Áreas Cultivadas para o Programa Florestal, também conhecidos como “Grãos-pelo-Verde” e “Conversão de Terras de Encostas”. Não chegaram muito a tempo. De acordo com dados do Greenpeace, somente 2 % da floresta original da China continua intacta e apenas 0,1% dessa área é oficialmente protegido. O desmatamento resultou em grande perda da biodiversidade e tem sido a causa apontada para todos os problemas ambientais, de deslizamentos de terra à pesada poluição em Pequim.

Clique aqui e assine o canal de Opera Mundi no Youtube

A situação é semelhante em várias partes da Ásia, incluindo gigantes em desenvolvimento como a Índia e a Indonésia. Ambientalistas dizem que recentes inundações e deslizamentos de terra em Java, que mataram pelo menos 19 pessoas, foram intensificados pelo desmatamento.

Shopsooy

Yangtzé, o maior rio da Ásia: inundações crescentes causadas por problemas ambientais

China: recursos naturais são uma ilusão de riqueza

China culpa separatistas muçulmanos por ataque em estação de trem

China aumenta em 12,2% orçamento militar para 2014

 

Verde comunista
Tanto a China como a Índia têm programas para reflorestar e “reverdejar” áreas que foram destruídas pela remoção da mata nativa, embora o da China seja  muito maior. A Grande Muralha Verde da China tem como objetivo deter o avanço dos desertos por meio do plantio de uma assombrosa quantidade de árvores.

Na Província de Shaanxi, o programa converteu 571 mil hectares de terras agrícolas e 427 mil hectares de terras improdutivas em florestas ou gramados entre 1999 e 2002, de acordo com um estudo de Edouard Vermeer para a Cambridge University Press. Outros 280 mil hectares de terras agrícolas e a mesma extensão em terras não cultivadas foram reflorestados em 2003. O Banco Mundial chamou atenção para o programa, dizendo que a China é um dos poucos países da Terra que está ampliando sua cobertura florestal.

Ao criar a maior floresta formada pelo homem no mundo, o Partido Comunista diz que já teve êxito em cobrir 20% do país com florestas. Seu objetivo é ter 42% até 2050. Parece até que a maior arma da China – e a menos reconhecida internacionalmente – contra a mudança climática é o plantio de árvores.

Os cidadãos de modo geral plantaram cerca de 56 bilhões de árvores por toda a China na última década, de acordo com estatísticas governamentais citadas pelo jornal “The Guardian”. Somente em 2009, a China plantou 5,88 milhões de hectares de floresta. O ex-vice-presidente dos Estados Unidos e Prêmio Nobel da Paz, Al Gore, disse que a China planta duas vezes e meia mais árvores a cada ano do que o restante do mundo inteiro somado. Ele definiu esse esforço como “o maior programa de plantio de árvores já visto no mundo”.

Apesar do êxito, críticos questionam a Grande Muralha Verde porque possui também desvantagens ambientais, tais como sua pobre biodiversidade e o intensivo uso de água. Alguns estudos chegam a mostrar que a criação de novas florestas não é um modo eficaz de absorver carbono ou mitigar mudanças climáticas.

Governo motivado
Embora grandes projetos nacionais como o da Grande Muralha Verde funcionem também como ferramentas de propaganda para o governo chinês, os resultados diferem em nível local, como explica um artigo sobre reflorestamento no sudoeste da China, publicado no “China Dialogue”. O programa se deparou com problemas entre os camponeses que se rebelam quando as novas árvores não produzem renda na mesma proporção das lavouras perdidas e, em alguns lugares, o plantio simplesmente não decola por causa de projetos ruins de reflorestamento ou outras questões. Apesar disso, no geral, a iniciativa é um exemplo impressionante do que um governo pode fazer desde que esteja motivado.

Um esforço para deter a expansão do deserto de Kubuqi, na província da Mongólia Interior, atualmente é  dirigido por um ex-embaixador sul-coreano na China, Byong Hyon Kwon, que se tornou ativista em prol do meio ambiente.

Reprodução/Futureforest.org

Ativistas do Floresta Futura: esforço da organização no combate à desertificação para aliviar a poluição nas cidades

De acordo com um artigo no jornal “The Star”, de Kuala Lumpur, Kwon fundou em 2001 a Floresta Futura, uma organização sem fins lucrativos, para combater a desertificação. Como embaixador na China de 1998 a 2001, ele viveu diretamente a experiência das tempestades de areia conhecidas como Dragão Amarelo, que deixam o céu sobre Pequim denso, por causa da poeira, e levam pessoas com bronquite asmática e problemas cardíacos ao hospital. Ele ficou convencido de que, se não fossem adotadas medidas, a trajetória da areia iria ameaçar a viabilidade do continente asiático.

Kwon e a Floresta Futura planejam o cultivo de uma faixa de 15 quilômetros e 800 metros de largura de vegetação densa para deter a marcha do deserto para o leste. Com seu parco orçamento de 1 milhão de dólares, a Floresta Futura já conseguiu plantar 6,2 milhões de árvores nos últimos oito anos.

Tradução: Teresa Souza

*Texto originalmente publicado no Asia Sentinel, site independente dedicado à cobertura de notícias do continente asiático.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Últimas Notícias

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE