Saiba como sete países regulamentam meios de comunicação

"No mundo inteiro há regulação, mas no Brasil tentam interditar o debate", afirma Franklin Martins na Aula Pública Opera Mundi

O primeiro programa da segunda temporada da Aula Pública Opera Mundi discute a regulamentação da mídia. Conheça sete países - incluindo o Brasil - e suas respectivas leis e marcos regulatórios para radiodifusão:

Clique aqui e inscreva-se no canal de Opera Mundi no Youtube

FRANÇA - A regulamentação de TV e rádio é feita pelo CSA (Conselho Superior do Audiovisual). Nenhum grupo de mídia pode controlar mais de 30% da imprensa diária. A CSA exige pluralismo de opiniões e diversidade cultural e pode punir com multas quem não seguir o marco regulatório. Qualquer incitação de discriminação, ódio ou violência é considerada crime.

Na Aula Pública Opera Mundi, Franklin Martins critica grupos de comunicação: "querem interditar o debate"

REINO UNIDO - Ofcom (Agência de Comunicação, na sigla em inglês) regulamenta o setor de radiodifusão, trabalhando na proteção de jovens, padrões para exibição de cenas ofensivas, proibição de incitação a crime ou violência, imparcialidade e respeito às religiões. O mercado é influenciado pela estatal BBC, que controla a audiência de forma estratégica a fim de promover igualitariamente as emissoras e democratizar a informação.

EUA - A regulamentação é feita pela FCC (Comissão Federal de Comunicações, na sigla em inglês), órgão do governo constituído por comissões parlamentares. Há um amplo conjunto de normas para exibição de cenas “indecentes” e exigência de programas educativos para crianças. A FCC regulamenta o cumprimento de leis e outorga de concessões. No entanto, não influencia ou intervém no conteúdo das emissoras. Mercado e opinião pública, segundo o governo, regulam automaticamente o conteúdo.

Clique aqui e assista à primeira temporada da Aula Pública Opera Mundi

MÉXICO - Cofetel (Comissão Federal de Telecomunicações) regulamenta rádios e TVs. Concessões para TVs e rádios podem chegar a 20 anos. Um dos países com maior concentração dos meios de comunicação do mundo, o México tem 62% dos mais de 800 canais em propriedade da Televisa ou da TV Azteca. Juntas, elas detêm 90% da audiência.

Celso Amorim x Rubens Barbosa: como mudar a política externa sem perder relevância na América do Sul?

Celso Amorim x Rubens Barbosa: com José Serra, muda o sentido ou a ênfase da política externa brasileira?

Escolas de Nova York têm maior índice de segregação racial dos EUA

 

PORTUGAL - Criou em 2005 a ERC (Entidade Reguladora para Comunicação Social), que regulamenta, além da radiodifusão, jornais impressos, blogs e sites independentes. Com modelo estratégico, assegura isenção e transparência no conteúdo, pluralismo cultural e diversidade de expressão. Além disso, ajuda na elaboração de políticas públicas para o setor, concedendo e fiscalizando concessões de rádio e televisão, telefonia e telecomunicações.

ITÁLIA - Grupos RAI (estatal) e Mediaset (que pertence ao ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi) concentram 76% da audiência. Berlusconi aprovou leis que aumentaram a concentração, dificultando a pluralidade da mídia. Embora a legislação garanta o direito de livre competição, o alto nível de concentração dos meios de comunicação dificulta que outras emissoras consigam alcance nacional.

BRASIL - A lei que regula a radiodifusão, o Código Brasileiro de Telecomunicações, data de 1962. Todo serviço de radiodifusão, para ser executado, precisa ser outorgado pelo Ministério das Comunicações e depois autorizado a fazer uso do espectro radioelétrico pela Agência Nacional de Telecomunicações. Para Franklin Martins, a mídia brasileira intimida quem tenta trabalhar na regulamentação dos meios de comunicação.



(*) Com informações da Revista Samuel n° 5

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Protesto anti-Trump acaba em confronto no Líbano

Violência segue intensa no Oriente Médio após decisão americana de reconhecer Jerusalém. Policiais reprimem manifestação perto da embaixada americana em Beirute e, na cidade disputada, oficial israelense é esfaqueado