Grávida, sudanesa é condenada à morte por converter-se ao cristianismo

Sentença gerou protestos de grupos de direitos humanos e diplomatas que pedem tolerância religiosa no Sudão

Em caso inédito no Sudão, o tribunal da capital Cartum condenou à morte a médica Mariam Yahia Ibrahim Ishag, de 27 anos e grávida de oito meses, por conversão ao cristianismo e abandono da fé islâmica. A sentença gerou diversos protestos de diplomatas e grupos de direitos humanos no país.

Reprodução/ Al Jazeera

Tribunal na capital sudanesa de Cartum: veredicto causou protestos, apesar de  governo alegar que tal medida não é exclusiva do país


“Nós lhe demos três dias para refletir, mas você insistiu em não retornar ao islã”, declarou o juiz Abbas Mohammed Al-Khalifa, direcionando-se à mulher com o nome de família de seu pai, um muçulmano. O magistrado acrescentou que ela receberá 100 chicotadas como castigo e depois será enforcada. De acordo com a Al Jazeera, Mariam lhe respondeu calmamente que é cristã e que nunca cometeu apostasia.

O tribunal justificou que a lei sudanesa proíbe a conversão do islã ao cristianismo e que, portanto, a acusada cometeu adultério por seu casamento como cristã ser "nulo". Contudo, Khalifa anunciou que o cumprimento da sentença será adiado em até dois anos, para que a mulher possa dar à luz ao filho que está esperando e termine de amamentá-lo. 

Boko Haram quer libertação de prisioneiros em troca de garotas raptadas na Nigéria

EUA impõem sanções a 5 líderes por violência na República Centro-Africana

Papa diz que Igreja Católica está de "portas abertas" a conversão de marcianos

 

“Isso não é exclusivo do Sudão. Na Arábia Saudita e em todos os países islâmicos, não é permitido que os muçulmanos mudem sua religião”, argumentou o ministro da Informação, Ahmed Bilal Osman, à AFP.

Com a decisão, dezenas de pessoas foram às ruas da capital sudanesa para se manifestar contra o veredicto. Na audiência, diplomatas advertiram as consequências que tal decisão levaria no que concerne os direitos humanos e a tolerância religiosa no país.

Em comunicado conjunto, as embaixadas de EUA. Canadá, Grã-Bretanha e Países Baixos exprimiram suas preocupações com o caso: “Nós pedimos que o governo do Sudão respeite o direito à liberdade religiosa, notadamente o direito de mudar de fé ou de crença”.

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias