Uruguai atende demanda histórica e Bolívia terá saída ao Atlântico em porto de águas profundas

Desde Guerra do Pacífico que Bolívia reivindica saída soberana ao mar; Evo criticou Chile por não respeitar o livre trânsito às exportações bolivianas

Os presidentes de Uruguai e Bolívia, José Pepe Mujica e Evo Morales, formalizaram nesta quinta-feira (26/02) o acordo para outorgar uma saída para o oceano Atlântico, no porto de águas profundas que será construído no departamento uruguaio de Rocha. A reivindicação por uma saída ao mar é uma demanda histórica boliviana após o país ter perdido 400 quilômetros de praia e 120 mil de território na Guerra do Pacífico contra o Chile.

Agência Efe

Morales afirmou que "sentirá falta" de Mujica nos fóruns internacionais

Em um dos seus últimos atos enquanto presidente do Uruguai, Mujica, que deixará o cargo neste domingo (01/03), disse que é “inevitável” que a Bolívia tenha uma saída para o mar e que o intercâmbio comercial marítimo é um “direito natural” para o desenvolvimento das nações. “Todos os países de América do Sul necessitam desta integração para o comércio de complementariedade para o bem do nosso povo”, disse.

A ideia é que o Paraguai, que igualmente é um país sem saída para o mar, também usufrua do porto. “Na realidade, sonho que a humanidade caminhe não para a dissolução dos povos e nações, mas para que cada vez as fronteiras tenham menos sentido na vida futura”, disse Mujica.

Comunicação Bolívia

Movimentos sociais uruguaios respaldaram necessidade boliviana por uma saída ao mar

EUA manifestam 'admiração' por Bolívia e países sinalizam normalização de relações rompidas desde 2008

Mujica regulamenta uso de maconha para fins medicinais no Uruguai; médicos criticam medida

É como se a Argentina tivesse voltado para visão de 1960, diz Mujica sobre integração regional

 

As declarações foram comemoradas por Evo Morales, que disse estar “muito feliz de poder contar com uma saída para o Atlântico”.

Projeto

No documento assinado ontem, o Uruguai expressa a disposição de conceder facilidades e concessões à Bolívia para a do espaço terrestre do porto e do terminal de águas profundas que será construído na costa atlântica do país. Para o projeto, avaliado em US$ 500 milhões, serão utilizados recursos brasileiros por meio do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul.

Questões técnicas para o funcionamento do porto serão discutidas nos próximos meses, já sob a gestão do presidente Tabaré Vázquez. Mas, como os países não fazem fronteira, para chegar ao futuro porto de Rocha será necessário que caminhões bolivianos atravessem os estados brasileiros de Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e grande parte do Uruguai ou, em outra rota, passem por Paraguai e parte da Argentina antes de chegar ao destino.

Em ato com Evo Morales, movimentos sociais uruguaios gritam: Mar para a Bolívia (a partir de 15'40'') 

Desta forma, a reivindicação boliviana para que o Chile cumpra o Tratado de 1904 e dê livre trânsito às exportações e importações bolivianas para os portos do oceano Pacífico segue na ordem do dia. O país também apresentou, em 2013, uma demanda na Corte Internacional de Justiça para exigir uma decisão que obrigue o Chile a negociar “de boa fé” a restituição do acesso soberano da Bolívia ao Pacífico.

Os chanceleres uruguaio e boliviano, Víctor Oporto e David Choquehuanca, respectivamente, também assinaram acordos na área de mineração, e para a implementação de ações de combate à discriminação racial e de promoção de igualdade de oportunidades nos países, além de um memorando para a instalação de unidades de tratamento de água na Bolívia.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica