Estados Unidos matam líder da Al Qaeda no Iêmen em bombardeio com drones

Nasser al-Wuhayshi foi secretário de Osama bin Laden no Afeganistão; braço iemenita de grupo foi responsável pelo atentado de 'Charlie Hebdo' em Paris

O líder da AQAP (Al Qaeda na Península Arábica), Nasser al-Wuhayshi, foi morto em um bombardeio norte-americano, anunciou nesta terça-feira (16/06) o braço da organização terrorista.

Reprodução

Wuhayshi foi um dos mentores do ataque à sede de 'Charlie Hebdo', em Paris, em janeiro


Segundo agências internacionais, ele foi morto com outros dois companheiros em Al Mukala, capital da província de Hadramut. Estima-se que o bombardeio tenha ocorrido na última sexta-feira (12/06).

Após a ofensiva — realizada com um drone no leste do Iêmen — o grupo se reuniu e escolheu como substituto o dirigente militar Qassim al-Raymi para o posto de liderança na filial mais potente da Al Qaeda no mundo.

“Nós nascemos nesta guerra e morreremos nela", declarou o xeque extremista Khaled Omar Baterfi ao anunciar a morte de Wuhayshi. "A jihad não vai ser detida pela morte dos líderes, mas seu sangue vai motivar os mujahedins (guerreiros santos) a se sacrificar", completou.

Sete exemplos de como o racismo afeta crianças negras nos EUA

Justiça dos EUA decide a favor de muçulmana que não foi contratada por questão religiosa

Obama diz que será 'difícil' defender Israel na ONU

 


Conhecido como Abu Basir, Wuhayshi foi secretário de Osama bin Laden no Afeganistão e tinha papel fundamental no financiamento de operações da Al Qaeda. Em 2003, ele foi detido no Irã e depois entregue ao Iêmen, onde esteve preso até fevereiro de 2006, quando fugiu da prisão da capital, Sanaa, junto com outros 22 detidos.

‘Charlie Hebdo’

No início do ano, o braço da Al Qaeda no Iêmen assumiu a responsabilidade pelo ataque à sede da publicação satírica Charlie Hebdo que matou 12 pessoas em Paris em 7 de janeiro.  Segundo o grupo, o atentado era uma operação para ensinar à França os limites da liberdade de expressão.

Os dois irmãos envolvidos no tiroteio, Said e Cherif Kouachi, eram integrantes do grupo. De acordo com membros dos serviços de inteligência dos EUA, que já vinham monitorando os irmãos Kouachi, Said visitou a estrutura da AQAP no Iêmen por diversos meses entre 2011 e 2012, recebendo treinamento militar com armas leves.

O tiroteio na capital francesa foi o primeiro atentado bem sucedido da AQAP contra um alvo no Ocidente. Em 2008, um membro nigeriano do grupo tentou, sem sucesso, usar um colete-bomba para explodir um avião norte-americano.

O grupo iemenita é conhecido por analistas como adepto de táticas de ação mais globais. Enquanto outras organizações terroristas, mesmo as ligadas à Al Qaeda, se preocupam mais em travar batalhas locais, a AQAP continua a mirar no que Osama bin Laden chamava de “o inimigo distante”, o Ocidente.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias