Na Bolívia, papa chama capitalismo de 'ditadura sutil' e pede perdão por crimes contra indígenas

Em viagem pela América do Sul, Francisco, acompanhado de Evo Morales, se reuniu com membros de movimentos sociais de 40 países e visitou um presídio

Antes de partir em direção ao Paraguai, última etapa da viagem à América Latina, o papa Francisco esteve na Bolívia reunido com cerca de 1.500 representantes de movimentos sociais de mais de 40 países. O pontífice fez na quinta-feira (10/07) um discurso contra o sistema capitalista, o qual chamou de “ditadura sutil”, e pediu desculpas pelos crimes da Igreja contra indígenas na região. Ainda em Santa Cruz, visitou a prisão de Palmasola, a mais perigosa do país andino.

Leia aqui a íntegra do discurso do papa na Bolívia

Rafael Stédile/ Opera Mundi

Em sua fala, presidente Evo Morales criticou colonialismos passado e contemporâneo

No segundo Encontro Mundial de Movimentos Sociais, Francisco, após ouvir, por quase uma hora, depoimentos de grupos de excluídos (indígenas, catadores de papel, trabalhadores precários do mundo rural e das periferias das cidades), afirmou que eles “têm um papel essencial, não apenas exigindo e reclamando, mas fundamentalmente criando".

"Vós sois poetas sociais: criadores de trabalho, construtores de casas, produtores de alimentos, sobretudo para os descartados pelo mercado global", disse Francisco. 

Leia mais sobre a visita do papa a América Latina:
Na Bolívia, papa Francisco toma chá de coca e critica lógica do consumismo e do descartável
Evo Morales presenteia papa com crucifixo em forma de foice e martelo
Em Quito, papa compara 'revolução' defendida pela Igreja com processos de independência
Papa Francisco pede para mascar coca durante viagem que fará à Bolívia

Com tema três Ts: “terra, teto e trabalho”, papa reconheceu “que as coisas não andam bem num mundo onde há tantos camponeses sem terra, tantas famílias sem teto, tantos trabalhadores sem direitos, tantas pessoas feridas na sua dignidade”.

Para o líder da Igreja Católica, o atual sistema global “que impôs a lógica do lucro a todo o custo, sem pensar na exclusão social nem na destruição da natureza (…) é insuportável: não o suportam os camponeses, não o suportam os trabalhadores, não o suportam as comunidades, não o suportam os povos.... E nem sequer o suporta a Terra, a irmã Mãe Terra, como dizia São Francisco”.

Veja  galeria de fotos:

>

“Quando o capital se converte em ídolo e dirige as opções dos seres humanos, quando a avidez pelo dinheiro tutela todo o sistema socioeconômico, arruína a sociedade, condena o homem, transforma-o em escravo, destrói a fraternidade inter-humana, coloca povo contra povo e, como vemos, até põe em risco esta nossa casa comum”, disse o sacerdote.

Francisco considerou ainda que atual sistema é uma “ditadura sutil” e chamou os mais pobres e excluídos à ação: “vós, os mais humildes, os explorados, os pobres e excluídos, podeis e fazeis muito. Atrevo-me a dizer que o futuro da humanidade está, em grande medida, nas vossas mãos, na vossa capacidade de vos organizar e promover alternativas criativas na busca diária dos ‘3 T’ (trabalho, teto, terra), e também na vossa participação como protagonistas nos grandes processos de mudança nacionais, regionais e mundiais. Não se acanhem!”.

Assim, o papa propôs aos movimentos sociais três tarefas:

• Colocar a economia a serviço dos povos: “Esta economia é não apenas desejável e necessária, mas também possível. Não é uma utopia, nem uma fantasia. É uma perspectiva extremamente realista. Podemos consegui-la”;

• Unir os nossos povos no caminho da paz e da justiça: nenhum poder efetivamente constituído tem direito de privar os países pobres do pleno exercício da sua soberania e, quando o fazem, vemos novas formas de colonialismo que afetam seriamente as possibilidades de paz e justiça;

• Defender a Mãe Terra: “a casa comum de todos nós está sendo saqueada, devastada, vexada impunemente. A covardia em defendê-la é um pecado grave. Vemos, com crescente decepção, sucederem-se uma após outra cúpulas internacionais sem qualquer resultado importante.

Rafael Stédile/ Opera Mundi

"Imigrar não é crime, crime é o que causa a imigração", diz cartaz exibido por ativista

E concluiu: “Digamos juntos do fundo do coração: nenhuma família sem teto, nenhum camponês sem-terra, nenhum trabalhador sem direitos, nenhum povo sem soberania, nenhuma pessoa sem dignidade, nenhuma criança sem infância, nenhum jovem sem possibilidades, nenhum idoso sem uma veneranda velhice. Continuai com a vossa luta e, por favor, cuidai bem da Mãe Terra”.

Indígenas

No país onde mais da metade da população se autodeclara indígena, Francisco se desculpou pelos crimes cometidos pela Igreja em nome de Deus. “Eu quero dizer-vos, quero ser muito claro, como foi São João Paulo II: Peço humildemente perdão, não só para as ofensas da própria Igreja, mas também para os crimes contra os povos nativos durante a chamada conquista da América”.

Papa chega a Guayaquil e deve rezar missa para mais de 1 milhão de fiéis na cidade

Em Quito, papa compara 'revolução' defendida pela Igreja com processos de independência

Na Bolívia, papa Francisco toma chá de coca e critica lógica do consumismo e do descartável

 

O papa pediu ainda que os presentes recordassem “de tantos bispos, sacerdotes e leigos que pregaram e pregam a boa nova de Jesus com coragem e mansidão, respeito e em paz; que, na sua passagem por esta vida, deixaram impressionantes obras de promoção humana e de amor, pondo-se muitas vezes ao lado dos povos indígenas ou acompanhando os próprios movimentos populares mesmo até ao martírio. A Igreja, os seus filhos e filhas, fazem parte da identidade dos povos na América Latina. Identidade que alguns poderes, tanto aqui como noutros países, se empenham por apagar, talvez porque a nossa fé é revolucionária, porque a nossa fé desafia a tirania do ídolo dinheiro”, concluiu.

Leia a íntegra do discurso do pontífice aqui.

Palmasola

Na noite de ontem, Francisco visitou a prisão de Palmasola, onde ouviu as reivindicações dos detentos que ali se encontram.

Rafael Stédile

Brasileiros se manifestam contra a redução da maioridade penal no país

Leónidas Rodríguez, eleito pelos companheiros para falar com o pontífice, afirmou que cerca de 80% dos que ali estão não têm sentença e que há muita desigualdade ente os presos, já que alguns vivem em celas que são verdadeiros chiqueiros, enquanto os que podem pagar entre cinco e sete euros para comprar uma, cumprem condenação em boas condições. Rodríguez ressaltou ainda que a mesma situação é enfrentada com relação à comida ou atendimento médico.

Mensagem aos brasileiros

Ao sobrevoar o espaço aéreo brasileiro nesta quinta-feira (09/07), Francisco saudou a presidente Dilma Rousseff e enviou uma mensagem aos brasileiros, que é possível escutar aqui:

“Ao sobrevoar o território brasileiro, para dar início à minha visita Pastoral à Bolívia e ao Paraguai, é muito grato desejar um cordial “saludo” a V. Exa. e renovar a aproximação e afeto pelo povo brasileiro para que eu peço ao Senhor, abundantes graças e que vocês possam progressar os valores sociais e espirituais, aumentando o compromisso pela justiça, solidariedade e paz, atentamente, papa Francisco".

Em uma viagem de nove dias, o papa Francisco está visitando nesta semana três países da América do Sul. Após passar pelo Equador, ele visitou duas cidades da Bolívia e fica até domingo (13/07) no Paraguai, onde cumprirá agenda em Assunção e na cidade de Caacupé.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias