Hungria autoriza que refugiados saiam do país em trens; Baviera e Áustria reforçam fronteiras

Um dos comboios que ia até a cidade de Munique, na Alemanha, foi interceptado pela polícia e passageiros foram obrigados a descer; poderá continuar viagem quem não estiver registrado em Budapeste

Autoridades da Hungria permitiram nesta segunda-feira (31/08) que centenas de refugiados que se concentravam na estação Keleti, a principal de Budapeste, entrassem em trens para a Alemanha e a Áustria, após um final de semana de bloqueios da polícia. Os dois países reforçaram os controles de fronteira.

Segundo o portal de notícias húngaro Origo, citada pela Agência Efe, os policiais que monitoravam a estação deixaram de vigiar o local e pelo menos 300 refugiados tentaram comprar bilhetes para trens para os territórios alemão e austríaco. De acordo com a agência APA, da Áustria, a chanceler alemã, Angela Merkel, conversou com o premiê húngaro Viktor Orbán, mas não se sabe se a liberação da estação foi acertada entre os dois.

Fotos: Agência Efe

Refugiados concentrados na estação Keleti, em Budapeste

O destino da maioria dos refugiados que pegaram os trens é Viena. Um dos comboios que ia até a cidade de Munique, na Alemanha, foi interceptado pela polícia e os passageiros foram obrigados a descer e pegar um trem regional – mais lento e de menor capacidade – para a capital austríaca.

Os refugiados que tentam receber asilo na Alemanha ou outros países serão registrados apenas com o nome, sem impressões digitais, e obterão uma permissão para seguir viagem rumo ao destino que desejam, afirmou o porta-voz da polícia austríaca, Roman Hahslinger Hahslinger. O mesmo procedimento será realizado com outros trens que devem partir de Budapeste pela tarde.

Por crise com refugiados, Europa libera fundo emergencial de 1,5 mi de euros a países dos Bálcãs

Sem ter para onde ir, refugiados em Paris ocupam escolas e prédios desativados

Budapeste e Viena investigam morte de 71 refugiados em caminhão e aumentam controles

 


Reforço na fronteira austro-húngara causou congestionamento do lado da Hungria

Após a liberação, autoridades da Áustria e do estado federado da Baviera, na Alemanha, reforçaram “dramaticamente” o controle fronteiriço, segundo o jornal alemão Süddeutsche. Na fronteira austro-húngara, um engarrafamento de mais de 20 km se formou do lado da Hungria por conta das novas medidas.

Plano franco-alemão

Merkel afirmou nesta segunda que Berlim e Paris vão apresentar nos próximos dias um plano para a União Europeia contendo a distribuição de ‘cotas’ de refugiados pelos países do bloco.

Essa proposta é aventada desde o início do aumento do número de pessoas tentando chegar à Europa vindos de regiões de conflito, como Síria, Líbia e Afeganistão.

"A Europa em seu conjunto deve se movimentar", afirmou a chanceler alemã. Para Merkel, se a EU fracassar na situação com os refugiados, o bloco corre o risco de “romper o vínculo” que a une aos “direitos humanos universais”.


Policial monitora sírios na estação central de trens de Munique, na Alemanha

Bulgária

A Bulgária foi outro país que reforçou o controle das fronteiras: Sófia mobilizou policiais e até o exército para controlar a entrada de refugiados vindos de Turquia, Grécia e Macedônia.

De acordo com testemunhas ouvidas pela Agência Efe, no ponto fronteiriço de Gyueshevo, 75 km a oeste de Sófia, o exército aumentou a segurança com veículos Hummer e soldados armados com fuzis automáticos AK47.

Vindos de países como Síria, Líbia, Afeganistão, Eritreia e outros, esses refugiados tentam atravessar o continente europeu e, normalmente, têm como destino Alemanha, Suécia ou Inglaterra. A entrada de pessoas sem documentação tem subido a níveis recordes nos últimos dias: somente entre sexta-feira e sábado, a Hungria interceptou 8.792 refugiados, apesar de ter sido concluída a construção de uma cerca na fronteira com a Sérvia, destinada a conter a imigração.

Mapa mostra caminho feito por refugiados a partir da Grécia para Hungria

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

STJ rejeita censura e libera site 'Falha de S.Paulo'

Site fazia paródias do jornal Folha de S.Paulo e está fora do ar desde 2010, quando o processo começou; colegiado entendeu que a proibição, pedida pela Folha, era uma tentativa de censura e fere a irreverência do direito ao entretenimento

 

Brasil, um pária das Relações Internacionais

Angela Merkel, chanceler alemã, é uma das líderes internacionais que visitou América do Sul nos últimos meses sem sequer fazer uma escala em Brasília; no cenário internacional, o 'fora Temer' sempre foi uma realidade