Hungria impede que refugiados acessem estação de trem e sigam viagem para Alemanha

Aos gritos de 'Alemanha, Alemanha', mais de 1.000 pessoas, empunhando os bilhetes comprados, foram barradas em Budapeste; houve protestos e confrontos

Agência Efe

Refugiados foram barrados ao tentar entrar em estação de trem em Budapeste; outros passageiros puderam seguir viagem normalmente

Autoridades da Hungria impediram "por tempo indeterminado" nesta terça-feira (01/09) milhares de refugiados de acessar a principal estação ferroviária da capital Budapeste, proibindo-os de entrar no trem rumo à Alemanha. O bloqueio húngaro, entretanto, valeu só para imigrantes, de maioria síria, que chegam ao país por meio de uma rota terrestre — outros passageiros puderam prosseguir a viagem normalmente.

Barradas, milhares de pessoas se reuniram nos arredores da estação de trem e gritavam "Alemanha, Alemanha", empunhando os bilhetes adquiridos, enquanto eram impedidos por uma longa barreira de policiais. A estação chegou a ficar fechada por um período, mas foi, posteriormente, reaberta — não para os refugiados. Houve protestos e confrontos.

Leia também:
Sem ter para onde ir, refugiados em Paris ocupam escolas e prédios desativados
'Só queremos viver em paz': refugiados cruzam Bálcãs a pé rumo ao centro da Europa
'Se for negro, não entra': Polícia italiana impede refugiados de embarcar em trem para Alemanha

Agência Efe

Mais de 1.000 pessoas, barradas na estação de Budapeste, protestaram contra a medida, empunhando os bilhetes e gritando 'Alemanha'

A polícia da Áustria informou que pelo menos 3.650 pessoas desembarcaram na capital Viena na segunda-feira. Eles vieram da Hungria e seguiam rumo à Alemanha. Ontem, a Hungria havia permitido que centenas de refugiados embarcassem livremente nos trens que seguem para o interior da Europa.

Com o bloqueio de hoje, um porta-voz do governo afirmou que a Hungria está tentando cumprir as leis da UE (União Europeia), segundo as quais para transitar entre as fronteiras dos países-membros é necessário ter passaporte e visto de entrada válidos. Além disso, a UE também estabelece que os candidatos a asilados façam o pedido no primeiro país da UE que entrarem.

Budapeste e Viena investigam morte de 71 refugiados em caminhão e aumentam controles

Hungria autoriza que refugiados saiam do país em trens; Baviera e Áustria reforçam fronteiras

Jovens criam site para que alemães abriguem refugiados em suas casas

 


O chanceler austríaco, Werner Faymann, afirmou que o premiê húngaro, Viktor Orban, deve se empanhar mais para registrar os refugiados antes de permitir que cruzem a fronteira para outros países europeus.

"Estão simplesmente embarcando em Budapeste. E eles [autoridades húngaras] estão assegurando que viajem para o país vizinho. Que tipo de política é essa?", indagou o austríaco em um canal de TV local.

Agência Efe

Hungria havia ontem liberado embarque para refugiados; Áustria, que recebeu 3.650 pessoas em um dia, pressionou por mais controle

Também hoje, a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que os países da UE têm que assumir o desafio representado pelo alto fluxo de refugiados. Ela ressaltou a necessidade de uma "distribuição mais justa' dos imigrantes.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Perdemos um gigante! Viva, Marco Aurélio Garcia!

Como assessor especial de relações internacionais dos governos Lula e Dilma, foi a grande cabeça formuladora e implementadora da política externa altiva e ativa, em uma parceria fina com Celso Amorim, numa divisão de papéis que rendeu grandes frutos