Contra tratamento recebido, refugiados fazem protestos na Hungria, Grécia e França

Em Calais, refugiados fazem greve de fome e, na Hungria, marcham em direção à Áustria; houve confrontos na ilha grega de Lesbos

O tratamento recebido pelos refugiados em algumas partes da Europa desencadeou uma onda de protestos na região. Houve manifestações, que envolvem até greve de fome, na França, na Grécia e na Hungria.

Agência Efe

Centenas de refugiados percorrem, a pé, os cerca de 200 quilômetros entre Hungria e Áustria

Sem segurança e comida, mais de cem refugiados do campo de Calais (França), que estão tentando ingressar no Reino Unido, iniciaram uma greve de fome e marcharam em direção ao centro da cidade com banners e cartazes pedindo liberdade e um “lar seguro”, na quinta-feira (03/09).  O campo de refugiados improvisado na cidade francesa, ponto de entrada do túnel que desemboca na Inglaterra, leva o nome de "Selva" e abriga cerca de 5.000 pessoas. “Nós não comemos desde ontem porque queremos que as pessoas entendam essa situação”, disse ao jornal The Guardian um sudanês identificado como Mohammed, 30, um dos grevistas.

Na Grécia, mais de 13.000 refugiados que conseguiram atravessar o mar Egeu e encontram-se na ilha de Lesbos, onde dependem de ajuda humanitária para permanecer. Lá, aguardam para fazer a travessia até Atenas. Nesta sexta (04/09), foram impedidos de embarcar, levando a um protesto que gerou conflito com a polícia. Bombas de gás lacrimogênio e de efeito moral foram lançadas para dispersar a multidão.

Stephen Ryan/IRFC

Ajuda humanitária da Cruz Vermelha chega aos refugiados na Grécia

Hungria diz que Alemanha é culpada por refugiados em estação de Budapeste

Projeto de estudantes de letras dá aulas de português para refugiados em SP

Após foto de criança síria, Cameron cede e diz que receberá refugiados no Reino Unido

 


Na Hungria, os refugiados também protestaram contra as más condições dos campos e o tratamento dado pelo governo húngaro: iniciaram, na quinta (03/09), uma caminhada de quase 250km em direção à Áustria, destino original de muitos deles, mas ao qual foram impedidos de chegar pela polícia impedindo os embarques.

Nos arredores da capital, Budapeste, os trens que vão em direção à Áustria estão sendo parados, numa tentativa do premiê húngaro Viktor Orban de impedir a chegada de mais refugiados no país. Na tarde de quinta, um trem foi parado com aproximadamente 500 passageiros, que se recusaram a sair e ir aos campos de refugiados. De acordo com dados do Al Jazeera, estão lá há 24 horas e gritam por água e comida enquanto seguram cartazes dizendo não aos campos de refugiados, não à Hungria e pedindo que o trem siga sua viagem.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias