Hungria cede e oferece transporte a refugiados em direção à Áustria; Europa busca acordo

Milhares de pessoas chegaram hoje à Áustria em ônibus fornecidos pelo governo húngaro; ministros da UE se comprometem a cooperar em apoio a refugiados

Milhares de refugiados chegaram neste sábado (05) à Áustria após a Hungria decidir fornecer transporte àqueles que querem atravessar o país.

O governo húngaro há dias tenta restringir a entrada de refugiados a partir da Sérvia e endureceu nesta sexta-feira (04) o discurso contra as milhares de pessoas provenientes de países em conflito que passam pela Hungria em direção a Áustria e Alemanha. No entanto, na noite de sexta-feira, o ministro de Governo húngaro, János Lázár, anunciou que a Hungria ofereceria transporte até a fronteira com a Áustria aos refugiados que estão na estação de trens Keleti, em Budapeste, e aos que caminham pela rodovia M1.

Leia também:
O menino sírio ou o retrato do miserável sonho europeu
Hungria fecha fronteira com Sérvia, endurece leis e diz: 'europeus poderão virar minoria'
Após foto de criança síria, Cameron cede e diz que receberá refugiados no Reino Unido

Agência Efe

Refugiados embarcam nesta madrugada em ônibus fornecidos pelo governo húngaro para transportá-los para a fronteira com a Áustria

Os primeiros ônibus chegaram neste sábado à fronteira com a Áustria. Trens especiais estão partindo a cada meia hora da estação austríaca de Nickelsdorf, na fronteira com a Hungria, para a capital Viena. De lá, muitos partem imediatamente para a Alemanha, embarcando em trens para Munique, onde centenas já chegaram neste sábado, segundo a BBC.

O governo austríaco afirmou que os refugiados podem pedir asilo ao país ou seguir para a Alemanha, enquanto o governo alemão declarou que vai garantir o status de refugiado a todas as pessoas que estejam fugindo do conflito na Síria. A polícia austríaca estima que 10 mil pessoas cheguem ao país somente hoje, enquanto a polícia alemã espera cerca de sete mil pessoas.

Agência Efe

Refugiados descansam na estação austríaca de Nickelsdorf após chegarem nos ônibus oferecidos pelo governo húngaro

Segundo a BBC, o porta-voz do governo húngaro, Zoltan Kovacs, afirmou que a medida é excepcional e que não haveria mais ônibus ou trens à disposição dos refugiados em direção à Áustria.

Reunião em Luxemburgo

Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia (UE) se comprometeram neste sábado a reforçar sua cooperação em cinco pontos para enfrentar a crise de refugiados que incluem garantir sua proteção e o respeito aos direitos humanos e ampliar o apoio financeiro a países africanos.

"Acabou o jogo de jogar a culpa uns em outros e chegou o momento de tomar medidas", afirmou a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, ao término de dois dias de reuniões informais dos ministros das Relações Exteriores nos quais debateram a questão migratória e a situação dos refugiados.
 

Hungria diz que Alemanha é culpada por refugiados em estação de Budapeste

Projeto de estudantes de letras dá aulas de português para refugiados em SP

Contra tratamento recebido, refugiados fazem protestos na Hungria, Grécia e França

 


Apesar de se tratar de uma reunião informal na qual não podem tomar decisões formais, os ministros se colocaram de acordo para atuar em cinco pontos.

Mogherini disse que os países se comprometem a assegurar proteção das pessoas que precisarem, lidar com a situação no total respeito aos direitos humanos, lutar contra o tráfico humano, reforçar a associação com os países de origem e trânsito e abordar os acordos de readmissão e devolução, e além de tratar as raízes da chegada de refugiados.

Na próxima quarta-feira, a Comissão Europeia apresentará uma estratégia para o recebimento e divisão de outros 120 mil refugiados entre os países-membros, assim como uma lista de "países seguros", uma medida destinada a agilizar a tramitação - e em parte a rejeição - dos pedidos de asilo de refugiados, que incluirá países candidatos a entrar na UE como Albânia, Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia.

"Temos que encontrar maneiras de compartilhar responsabilidades, nisso todos estamos de acordo", afirmou Mogherini, que lembrou que a CE defende um sistema de cotas obrigatório, porque um sistema voluntário "tornaria as decisões mais difíceis e menos imediatas", em um momento em que "não se pode perder tempo".

 

*Com BBC e Agência Efe

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

STJ rejeita censura e libera site 'Falha de S.Paulo'

Site fazia paródias do jornal Folha de S.Paulo e está fora do ar desde 2010, quando o processo começou; colegiado entendeu que a proibição, pedida pela Folha, era uma tentativa de censura e fere a irreverência do direito ao entretenimento

 

Brasil, um pária das Relações Internacionais

Angela Merkel, chanceler alemã, é uma das líderes internacionais que visitou América do Sul nos últimos meses sem sequer fazer uma escala em Brasília; no cenário internacional, o 'fora Temer' sempre foi uma realidade