Morre aos 93 anos Shimon Peres, ex-presidente de Israel e Nobel da Paz

Peres faleceu duas semanas após sofrer um acidente vascular cerebral, informaram fontes do Hospital Shiva, da cidade de Tel Hashomer

O ex-presidente de Israel e vencedor do prêmio Nobel da Paz, Shimon Peres, morreu nesta terça-feira (27/09), aos 93 anos, duas semanas após sofrer um acidente vascular cerebral, informaram fontes do Hospital Shiva, da cidade de Tel Hashomer.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Peres estava hospitalizado desde o último dia 13, quando sofreu um acidente vascular cerebral, e nas últimas horas sua situação tinha piorado consideravelmente, segundo o serviço de notícias Ynet.

Agência Efe

Ex-presidente israelense e Nobel da Paz, Shimon Peres, estava hospitalizado desde o dia 13 de setembro

Depois de uma primeira recaída na tarde de terça-feira, durante a madrugada seus sinais vitais falharam após de ser desligado de toda assistência para não prolongar a vida artificialmente.

"O povo de Israel e diáspora se despedem com dor e amor de um líder", afirmou o chefe do Partido Trabalhista, Isaac Herzog, na primeira reação após a morte de Peres.

Por sua parte, o ministro de Educação, o direitista Naftali Bennett, disse que Peres "escreveu a história com suas próprias mãos".

 

Supremo Tribunal da Palestina suspende eleições locais na Cisjordânia e Faixa de Gaza

Após acordo negociado por Rússia e EUA, cessar-fogo entra em vigor na Síria

1993: Rabin e Arafat assinam Acordo de Oslo

 

Durante duas semanas, embora se temia pela sua vida nas primeiras 24 horas de sua entrada no hospital, Shimon Peres tinha permanecido em situação estável, apesar da gravidade de sua saúde.

Seu estado de saúde piorou nesta terça, após uma pequena melhora e quando os médicos avaliavam se permitiriam que ele respirasse sem ajuda de aparelhos.

Considerado um dos principais políticos israelenses da história por impulsionar o processo de paz de Oslo, que lhe valeu o Nobel da Paz ao lado dos líderes palestino Yasser Arafat e israelense Yitzhak Rabin, terminou sua carreira política de 70 anos em Israel à frente da presidência, que deixou em 2014, e após exercer vários cargos.

Sua contribuição mais reconhecida internacionalmente foi como artífice, ao lado do atual presidente palestino, Mahmoud Abbas, da aproximação entre palestinos e israelenses, que culminou em 1993 com o reconhecimento israelense da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e vice-versa.

De acordo com analistas locais, com sua morte chega ao fim a geração dos arquitetos políticos do Estado de Israel, fundado em 1948.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Guilherme Boulos: o psicanalista das massas

A maior liderança dos movimentos sociais é um filósofo e psicanalista que vive na militância desde os 15 anos. Conheça Guilherme Boulos, 34 anos, e entenda por que o MTST dobrou de tamanho em quatro anos

 

Mais Lidas

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Sob as barbas de Marx

Exibido pela primeira vez no Festival de Cinema de Berlim, filme "O jovem Karl Marx" mostra o curto, mas intenso período que antecedeu à publicação do Manifesto Comunista no ano de 1848

Últimas Notícias

Guilherme Boulos: o psicanalista das massas

A maior liderança dos movimentos sociais é um filósofo e psicanalista que vive na militância desde os 15 anos. Conheça Guilherme Boulos, 34 anos, e entenda por que o MTST dobrou de tamanho em quatro anos

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE