Alberto Dines driblou ditadura militar e criou capa histórica no Jornal do Brasil

Jornalista, que morreu na última terça-feira (23/05), fez uma capa de jornal sem manchete para noticiar o golpe militar contra Salvador Allende, no Chile

O jornalista Alberto Dines, morto nesta terça-feira (22/05) aos 86 anos, foi o responsável por uma das capas mais emblemáticas da história do jornalismo brasileiro. Em setembro de 1973, um golpe militar derrubou o então governo (democraticamente eleito) de Salvador Allende, no Chile, e instaurou uma ditadura que durou quase 17 anos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Capa do Jornal do Brasil de 12 de setembro de 1973, um dia após o golpe no Chile A censura do regime militar proibiu que se desse manchete para o golpe no Chile. Dines, então, decidiu fazer uma primeira página só com texto – e driblou a ordem do governo.

Em uma entrevista ao Jornal da ABI em 2012 (reproduzida no Observatório da Imprensa, projeto tocado pelo jornalista), Dines conta como foi tomada a decisão:

“Uma das causas da minha saída do JB, em 1973, foi porque eu forcei isso. Quando houve o golpe militar no Chile, veio a ordem da censura para não dar manchete sobre a derrubada do Salvador Allende. Mas a ordem chegou tarde da noite e o Allende estava na manchete! A essa altura, eu já não fechava o jornal. Nós decidíamos a primeira página e eu ia para casa. Já me dava esse direito. O Lemos também já tinha saído e quem ligou foi o Maneco Bezerra [da Silva], excelente jornalista que trabalhava na oficina. Ele alertou da ordem e fui imediatamente para lá. Morava em Ipanema, pegava o Aterro [do Flamengo] e era fácil chegar ao prédio novo do JB naquela hora, quase 11 horas. Quando cheguei um dos superintendentes do jornal já estava lá, mas ele não se meteu. E aí eu falei: ‘Vamos obedecer. Não vamos dar na manchete. Vamos fazer um jornal sem manchete! Vamos contar a história com o maior corpo possível da Ludlow…’ Esse era corpo 24, se não me engano… Contamos a história toda e ficou, digamos, um pôster sem manchete. O superintendente do jornal me perguntou: ‘Dines, você tem certeza mesmo que quer fazer isso?’. E eu respondi que nós estávamos obedecendo às autoridades. No dia seguinte o Armando Nogueira, que estava na TV Globo, me telefonou logo cedo: ‘Porra! Isto é uma revolução!’. A direção não criticou nem elogiou. Quem elogiou foram os bons jornalistas. A capa está reproduzida em um livro que organizei, ‘Cem Páginas Que Fizeram História’, com a reprodução de outras páginas importantes de vários jornais. Mas a verdade é que três meses depois eu fui demitido por ‘indisciplina’.”

Quem foi Alberto Dines

Jornalista, professor universitário, biógrafo e escritor, Dines teve destaque em vários veículos de comunicação. Começou a carreira no jornalismo em 1952, na revista A Cena Muda e no ano seguinte participou da fundação da revista Visão para acompanhar reportagens da área artística. Em 1957, trabalhou na revista Manchete, de propriedade de Adolpho Bloch. Dines também era um dos maiores especialistas da obra do romancista austríaco Stefan Zweig no país.

Em Tempo: um jornal para enfrentar a ditadura de modo contundente

Jornal Abertura: união da luta do movimento negro com o combate à ditadura

Tom Wolfe, mestre do jornalismo literário, morre aos 87 anos

 

Dois anos depois, se tornou diretor do segundo caderno do jornal Última Hora, de Samuel Wainer. No ano seguinte, dirigiu o jornal Diário da Noite, dos Diários Associados, pertencente a Assis Chateaubriand. Em 1962 virou editor-chefe do Jornal do Brasil, onde permaneceu até 1973, depois do episódio do golpe no Chile.

Dines estava internado há dez dias no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O hospital informou que o jornalista morreu às 7h15, vítima de deficiência respiratória.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior