Hoje na História: 1492 - Cristóvão Colombo 'descobre' a América

Colombo comandou outras quatro expedições ao Novo Mundo, mas nunca concluiu meta de achar rota para chegar às grandes cidades da Ásia

Após navegar pelo Oceano Atlântico, o explorador italiano Cristóvão Colombo avista a ilha Guanahani, hoje Bahamas, em 12 de outubro de 1492. Acreditando ter atingido a Ásia Oriental, a expedição reivindicou a terra para Isabel e Fernando, os reis católicos da Espanha, que patrocinaram a tentativa de encontrar uma rota oceânica para a China e a Índia e as fantasiosas ilhas de ouro e especiarias da Ásia.

"A descoberta da América por Cristóvão Colombo", pintura do espanhol pablo Picasso| WikicommonsColombo nasceu em Gênova, Itália em 1451. Pouco se conhece de seus primeiros anos, mas trabalhou como marinheiro e empreendedor marítimo. Tornou-se obcecado com a possibilidade de ser o pioneiro em uma rota marítima a Catai (China), Índia, e as ilhas de ouro e especiarias da Ásia. À época, os europeus não conheciam uma rota marítima direta ao sudeste asiático e a rota via Egito e o mar Vermelho estava fechado para os europeus pelo Império Otomano, assim como muitas rotas terrestres.

Ao contrário da lenda popular, os europeus sabiam que a Terra era redonda, como já argumentava Santo Isidoro no século sétimo. Entretanto, Colombo como muitos outros, subestimavam a extensão do globo, calculando que a Ásia Oriental deveria se situar aproximadamente onde a América do Norte se encontra no mapa global – eles ainda não sabiam da existência do Oceano Pacífico.

Início da viagem

Colombo encontrou-se com o rei João II de Portugal, tentando persuadi-lo a retomar seu “Empreendimento para as Índias”, como denominava o plano. Com a proposta recusada, voltou-se para o reino da Espanha, sendo rejeitado ao menos duas vezes pelos reis Fernando e Isabel. No entanto, após a conquista espanhola do reino mouro de Granada em janeiro de 1492, os monarcas espanhóis, eufóricos com a vitória, concordaram em apoiar sua viagem.

 

'Socialismo é a radicalização da democracia', diz vice-presidente boliviano

América Latina será irrelevante enquanto não atuar como continente, diz vice da Bolívia

De cada três pessoas vivendo em situação de pobreza extrema na América Latina, uma é mexicana

 

Em 3 de agosto de 1492, Colombo zarpa de Palos, Espanha, com três pequenas caravelas, Santa Maria, Pinta e Nina. Em 12 de outubro, a expedição alcança onde hoje são as Bahamas. Mais tarde, naquele mesmo mês, Colombo avista Cuba, pensando que era o território principal da China e em dezembro a expedição desembarca em Hispaniola – hoje a ilha da República Dominicana e Haiti –, que Colombo julgava ser o Japão. Estabeleceu ali uma pequena colônia com 39 homens. O explorador retornou à Espanha com ouro, especiarias e cativos “indígenas” em março de 1493, tendo sido recebido com as maiores honrarias pela corte espanhola. Tinha sido o primeiro europeu a explorar as Américas desde que os Vikings estabeleceram colônias na Groenlândia e em novas terras descobertas no século X.

Ao longo de sua vida, Colombo comandou um total de quatro expedições ao Novo Mundo, descobrindo várias ilhas do Caribe, o golfo do México e terras da América Central e do Sul, mas nunca concluiu sua meta original – uma rota marítima ocidental para se chegar às grandes cidades da Ásia. Colombo morreu na Espanha em 1506 sem presenciar o grande alcance que suas descobertas permitiram destravar. Descobriu para a Europa o Novo Mundo, cujas riquezas estendidas para o novo século XVI ajudariam a fazer da Espanha a mais rica e poderosa nação da Terra.

Também nesta data:
1991 - A polícia política soviética, KGB, é dissolvida pelo Conselho de Estado
1999 - População mundial atinge a marca de 6 bilhões de habitantes
1810 - Casamento real dá início à primeira Oktoberfest em Munique

Siga o Opera Mundi no Twitter

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Justiça da UE condena Alemanha por poluição da água

Tribunal de Justiça da União Europeia considera que Berlim não fez o suficiente para deter contaminação de águas subterrâneas por nitrato; índices continuam altos apesar de leis mais severas para fertilizantes agrícolas