Hoje na História: 1963 - De Gaulle veta entrada do Reino Unido à CEE

Em 14 de janeiro de 1963, o presidente da França, Charles de Gaulle, define os grandes eixos da política externa do país. Em primeiro lugar, a firme oposição à entrada do Reino Unido na CEE (Comunidade Econômica Européia), pois "a natureza, a estrutura, a conjuntura, que são próprias da Inglaterra, diferem dos países continentais". De Gaulle desconfiava, acima de tudo, das relações especiais que o Reino Unido mantinha com os Estados Unidos. No mesmo dia, o presidente reafirmou a autonomia da defesa nuclear francesa frente a Washington.

Wikicommons

O presidente francês, Charles de Gaulle (d), ao lado do primeiro-ministro britânico Winston Churchill, em 1944

O principal problema político na criação da CEE foi o fato de um país importante como o Reino Unido ter sido contra. Os britânicos se negaram a ingressar pela importância das relações comerciais, políticas e até sentimentais com as colônias e ex-colônias, pertencentes quase todas à Commonwealth e por se opor à uma união aduaneira.

Londres defendia a criação de uma zona de livre comércio, em que seriam abolidos os direitos alfandegários internos, mas em que cada país tivesse liberdade de decidir suas próprias políticas em relação aos países não comunitários. Eles tabém não tinham nenhuma vontade de participar de um projeto em que se previa o fim da soberania de cada estado em benefício de instituições supranacionais europeias. Os britânicos desconfiavam, e ainda desconfiam, do objetivo da unidade política europeia.

Alternativa britânica

A reação do governo britânico foi criar a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA em sua sigla em inglês), aderida por Suécia, Suíça, Noruega, Dinamarca, Áustria e Portugal. A associação, longe de qualquer projeto de integração política, foi uma mera zona de livre comércio, essencialmente de produtos industriais, e não reconhecia qualquer fronteira comum.

Os britânicos deram rapidamente conta do seu erro. Enquanto a CEE protagonizava um crescimento econômico espetacular, com taxas de crescimento nos anos 1960, o Reino Unido continuou com sua tendência decrescente em relação aos países do continente.

Leia mais:
1940 - Parlamento vota o fim da 3ª República Francesa
1944 - Paris é libertada dos nazistas na Segunda Guerra
1962 – Militares franceses tentam assassinar o presidente Charles de Gaulle

Veto francês

Em agosto de 1961, o primeiro-ministro britânico solicitou o início das negociações para a entrada do Reino Unido na CEE. Depois de várias tentativas, o líder francês, Charles de Gaulle, decidido a construir o que chamava uma "Europa das pátrias" que se tornasse independente das duas superpotências que protagonizavam a "guerra fria" e receoso da estreita vinculação britânica a Washington, vetou, em 1963, a entrada britânica na CEE. Quando, em 1967, o governo trabalhista de Harold Wilson tornou a solicitar a entrada na CEE, o general francês voltou a vetar a adesão do Reino Unido.

De Gaulle, apesar de defender uma Europa forte perante os Estados Unidos e a União Soviética, nunca acreditou numa Europa unida politicamente. Para ele, a independência nacional da França, país que tentou denodadamente manter com o estatuto de potência, era uma questão inegociável.

Após a saída de De Gaulle em 1969 houve a adesão britânica. Vencendo a oposição de setores importantes da opinião pública britânica, contrários à adesão à CEE e claramente "anti-europeus", finalmente em 1972 as negociações foram bem-sucedidas.


Outros fatos marcantes da data:
14/01/1914: Henry Ford põe em prática o fordismo
14/01/1814: A Dinamarca cede a Noruega à Suécia
14/01/1858: Fracassa o atentado contra o imperador Napoleão III

Siga o Opera Mundi no Twitter  
Conheça nossa página no Facebook

Hoje na História: 1980 - Governo da Polônia aceita reivindicações de trabalhadores de Gdansk

Hoje na História: 1999 - População mundial atinge a marca de 6 bilhões de habitantes

Hoje na História: 1337 - Tem início a Guerra dos Cem Anos

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias