Rússia chama de 'absurdas' acusações de que Putin estaria envolvido em ciberataques aos EUA

Porta-voz do Kremlin disse que acusação não tem fundamento, enquanto chancelaria a classificou de 'paranoia'; Putin ainda não se pronunciou

A Rússia rejeitou nesta quinta-feira (15/12) as acusações de que o presidente do país, Vladimir Putin, estaria pessoalmente envolvido nos ataques cibernéticos aos EUA que teriam interferido nas eleições presidenciais norte-americanas, favorecendo o presidente eleito, Donald Trump.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“[Nós consideramos as acusações como] um absurdo engraçado que não tem fundamento”, disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Na mesma linha, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, classificou as acusações como “completa bobagem”. “Fiquei estupefato quando vi essa ‘notícia’ na televisão”, afirmou.

Agência Efe

Rússia rejeitou acusações de que Putin estaria pessoalmente envolvido em ciberataques aos EUA

A Chancelaria também acusou Washington de “paranoia”, como na época da política de “caça às bruxas”, lançada na década de 1950, quando os EUA perseguiam comunistas.

Envolvimento de Putin

A emissora norte-americana NBC News noticiou nesta quinta-feira que as agências de inteligência dos EUA acreditam, com “um alto nível de confiança”, que Putin teria se envolvido pessoalmente na suposta campanha russa para interferir nas eleições presidenciais do país.

Temer e Trump conversam pela 1ª vez desde eleição do novo presidente dos EUA

Exército sírio controla Aleppo e encerrou ação militar na cidade, diz Rússia

Solução de conflito na Síria depende da vontade de Donald Trump, diz Assad

 

Fontes da emissora afirmaram que o mandatário russo teria coordenado como o material hackeado do Partido Democrata seria vazado e usado.

Ainda segundo a NBC News, os objetivos de Putin teriam sido se vingar de Hillary Clinton, então candidata democrata à Presidência, e tentar mostrar a corrupção na política norte-americana para que os aliados internacionais dos EUA pensassem que “não poderiam depender dos EUA para continuar sendo um líder global de credibilidade”.

Ciberataques aos democratas geraram o roubo e a publicação de 20 mil e-mails dos membros da legenda, incluindo os de Hillary.

Recentes relatórios da inteligência norte-americana apontavam que a Rússia poderia ter sido a responsável por coordenar esses ciberataques para auxiliar a campanha do empresário republicano Donald Trump, que acabou se elegendo.

O atual presidente dos EUA, Barack Obama, chegou a pedir a divulgação de um relatório detalhado sobre o incidente para o FBI e para CIA, que ainda estão conduzindo investigações. O documento deve ser publicado ao fim de janeiro de 2017.

Com relação às acusações iniciais, Putin já as havia classificado como “histeria”. “Por acaso os EUA são uma república das bananas? Os EUA são uma grande potência. Como pode a Rússia influenciar a escolha do povo norte-americano?”, questionou ele na época. O mandatário chegou até a acusar Hillary de estar tentando “desviar atenção” do conteúdo dos emails.

Putin, entretanto, ainda não comentou as acusações de que estaria pessoalmente envolvido nos ataques.

*com Agência Efe

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias