Mercado financeiro banca armas nucleares

Indústria é sustentada por bancos e financeiras

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Bomba "Yellow Sun", no Museu Aeroespacial Cosford, na Inglaterra. Foto Wikimedia Commons

A indústria mundial de armas nucleares é financiada e mantida por mais de 300 bancos, fundos de pensão, companhias de seguros e gestores de ativos (“asset management”). É o que revela um novo estudo divulgado essa semana pela Campanha Internacional para Abolição das Armas Nucleares (Ican na sigla em inglês). A pesquisa, de 180 páginas, assinala que as nações com poder nuclear gastam mais de 100 milhões de dólares por ano fabricando novas ogivas, modernizando as antigas e construindo mísseis balísticos, aeronaves de bombardeio e submarinos para lançá-los. Grande parte desse trabalho é realizado por corporações como BAE Systems e Babcock International, ambas do Reino Unido; Lockheed Martin e Northrop Grumman, dos Estados Unidos; Thales y Safran, da França; e Larsen & Toubro, da Índia. Leia mais sobre o relatório nesta matéria da IPS, em espanhol.

 

Assine a revista Samuel. Apoie a imprensa independente.

A ONU não quer dizer “drones”, mas usá-los

Ásia tem os cinco maiores importadores de armas

 
Licença CreativeCommons: Atribuição CC BY

Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington

 

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia