Ásia tem os cinco maiores importadores de armas

Índia em primeiro lugar no ranking entre 2007 e 2011

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Caça Su-30MKI, produzido pela Índia sob licença da Rússia, proprietária da tecnologia. Foto Dr. Jaus

China, Índia e Coreia do Sul, três das maiores economias da Ásia, também estão reforçando o seu arsenal com sistemas bélicos vindos dos Estados Unidos, Rússia, Alemanha, França e Reino Unido, informa a agência de notícias IPS. De acordo com com os números divulgados pelo Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI), os cinco maiores importadores de armas no período entre 2007 e 2011 são todos asiáticos, batendo os países do Oriente Médio, tradicionais líderes do ranking.

A Índia é o maior importador de armas do mundo, responsável por cerca de 10% das importações bélicas globais, seguida pela Coreia do Sul (6%), Paquistão (5%), China (5%) e Cingapura (4%). Os cinco maiores exportadores são os Estados Unidos, Rússia, Alemanha, França e o Reino Unido.

Japão, Coreia do Sul e China são os países que mais desenvolveram a produção nacional de armas. A China, que ficou em primeiro lugar no ranking das importações entre 2002 e 2006, caiu para o quarto lugar, e a queda na importação coincide com o aumento da exportação, que cresceu 95%. O país é hoje o sexto maior fornecedor de armas no mundo. 

O artigo completo com o triste ranking pode ser lido, em inglês, no site da agência de notícias IPS.

 

Assine a revista Samuel. Apoie a imprensa independente.

A ONU não quer dizer “drones”, mas usá-los

Mercado financeiro banca armas nucleares

 
Licença CreativeCommons: Atribuição CC BY

Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington